PAÍS

Operação Marquês:

a histeria histriónica invade o espaço público

Quer se considere as coisas pelo lado institucional, quer se considere pelo lado informal, uma evidência estalou: já ninguém alimenta qualquer ilusão sobre a seriedade da Justiça em Portugal, herdada que foi tal e qual do fascismo.

Prende-se não porque existem provas de crime ou acusação formada, mas para investigar; investiga-se não para apurar a verdade, mas para julgar na praça pública; e, no final, julgar-se-á para ilibar criminosos, tudo ao sabor do interesse maior da burguesia. E se as contradições nos termos, internas ao processo, são manifestas, aparecem como um quid pro quo que é preciso corrigir enforcando um juiz nas parangonas de uma imprensa de merda.

É esse o resumo do processo Marquês no estágio de hoje.

O mediatismo circense continua. O camarada Arnaldo Matos já antevia este cenário, onde a embrulhada inerente ao sistema não deixa o poder político nem o poder jurídico e no meio ficam à deriva os seres humanos como mercadoria rasca.

As condições materiais de vida e as condições sociais que delas derivam chocam com o aparato do Estado e as leis jurídicas que lhe dão substância.

Ou mudam as leis e o Estado dando curso a mudanças da base material revolucionada, ou se entrava o desenvolvimento da sociedade.

LISTA CRONOLÓGICA DE ARTIGOS SOBRE O TEMA DE AUTORIA DO CAMARADA ARNALDO MATOS

7-1-2015 – Sócrates Deve Ser Imediatamente Libertado!

13-1-2015 – A Prisão de José Sócrates E a Cobardia Política de António Costa

23-1-2015 – António Costa em Falência Multiorgânica

24-1-2015 – Cavaco, Uma Vergonha de Presidente

30-6-2015 – Os Comunistas e o Movimento Cívico José Sócrates Sempre

25-7-2015 – Uma Escandalosa Vergonha de Justiça!

29-7-2015 – A Questão Não É Essa…

23.04.2021

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País POLÍTICA GERAL Operação Marquês: a histeria histriónica invade o espaço público