PAÍS

 

ComunicadoSinaga202110044Um ataque violento que se abate sobre o movimento operário nos Açores

 

ComunicadoSinaga202110043A organização do nosso Partido na Ilha de São Miguel desencadeou hoje uma acção de agitação e propaganda  junto da fábrica de açúcar - Sinaga, com a distribuição de um clarividente comunicado, onde denuncia e retrata os crimes das sucessivas administrações da Sinaga e dos Governos Regionais da burguesia contra a classe operária açoriana, a história do movimento operário nos Açores, como também em relação à memória da indústria açórica, e daqueles que laboraram durante décadas a fio numa das mais importantes unidades fabris em território regional açoriano. Terminada a distribuição às portas da Sinaga, os camaradas António Vital, José Afonso Lourdes e Pedro Leite Pacheco que compunham a brigada, continuaram a sua acção de agitação e propaganda revolucionárias nos arredores da fábrica, onde auscultaram as amplas massas populares, obtendo testemunhos de indignação em resposta ao vil ataque àquela unidade fabril e ao seu património histórico, dizendo que o Governo Regional em conluio com a administração canalha da fábrica, iniciaram a destruição de várias máquinas da Sinaga, muitas dessas com um valor considerável.
É inadmissível que alguém minimamente sério aceite um crime desta natureza. A População da Ilha de São Miguel tem de se levantar contra isto, em especial a de Ponta Delgada!

 

O nosso dever como comunistas e revolucionários é o de impedir esta infâmia abjeta!

 

José Afonso Lourdes

SINAGA:
Ataque à Classe Operária, Fraude Financeira,
Crime Económico e Afronta ao Património Industrial Açoriano

 ComunicadoSinaga20211004A liderança pequeno burguesa dominante na governação regional há mais de quarenta anos não descansa na sua sanha de humilhar e eliminar o proletariado industrial e adulterar, hipotecar e permitir ou mesmo forçar a venda de importantes riquezas e recursos humanos, culturais e patrimoniais dos Aç ores.

O propósito atinge novos patamares de abuso e de cinismo com a decisão do governo em exercício de extinguir a SINAGA e pôr a saque terrenos, edificações e equipamentos, muitos deles de grande valor histórico e também afectivo como se comprova pelo indignado protesto de cidadãos de Santa Clara pelo roubo e alienação do notável património industrial daquela freguesia de Ponta Delgada.

ComunicadoSinaga202110042O actual governo regional do PSD/CDS/PPM/IL/CHEGA. e o anterior do PS, qualquer um deles auxiliado pelos restantes partidos burgueses, BE e PCP, levaram e levam a cabo uma elaborada fraude no afã de bem servir a progressão do capital neste pequeno arquipélago do Atlântico Norte, com toda a sorte de destruição de forças produtivas e brutal alienação de pessoas e bens de uma ponta à outra da ilha.

Os milhões do “erário público” que estes energúmenos apregoam terem sido investidos naquele complexo industrial para justificar a sua grotesca decisão têm é de ser explicados de onde vieram, em que é foram gastos e porquê e quem os gastou!

Os milhões dessa corja são moedas de Judas a vender ao desbarato o que é seu e o que não é seu – como se os Açorianos ficassem mais felizes por mais humilhados e mais ricos por mais esbulhados na terra onde pela primeira vez abriram os olhos.

A canalha toda à volta do mestre de cerimónias boçalmente unida na assembleia da Horta coadjuvou a decisão governativa: as palmas e as achegas desses lacaios são mais uma nódoa a enxovalhar a arquitectura que os acolhe e uma afronta ao operário e ao património industrial micaelenses.

A persistir, exigimos a destituição do Secretário Regional das Finanças, e, a não se retratar rapidamente, do Presidente e restantes membros do Governo assim como de todos os deputados da Assembleia Regional, por modo a que sejam salvaguardados os bens da SINAGA e se instale moderno equipamento em local mais conveniente à retoma da laboração da beterraba para a produção regional de açúcar.

04Out2021            

O Comité do PCTP/MRPP na Ilha de São Miguel

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País LOCAL Um ataque violento que se abate sobre o movimento operário nos Açores