CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

19 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Ler mais

As eleições para o Parlamento Europeu realizam-se sob a égide da guerra.

Se até aqui, os votos dos deputados portugueses no Parlamento Europeu e que em grande parte até são desconhecidos, têm sido, na sua esmagadora maioria, votos de traição nacional, já que não se registou um único exemplo que tenha tido em vista a defesa do verdadeiro desenvolvimento e progresso de Portugal, a nova situação geopolítica levará a imposições no campo militar, que obrigarão não apenas a uma austeridade social, mas a uma verdadeira economia de guerra, com as burguesias de França e da Alemanha a fazerem contas aos ganhos que terão no negócio, a que se seguirão intervenções mais drásticas a nível operacional. É o ministro alemão da defesa, quem avisa: “Temos de nos preparar para a guerra na Europa.

 A preparação da guerra está anunciada e ninguém está inocente. Também temos uma certeza: os que ousarem desobedecer às directivas da UE/EU serão punidos economicamente com a ameaça de sanções, cortes, negação de fundos, etc, com consequências óbvias nas suas economias. Já tivemos exemplos dessa actuação.

A União Europeia deixou de ser a pomba, deixou de estar envolta no véu da democracia e mostra a sua verdadeira essência reaccionária.

Ler mais

Levantemo-nos contra o genocídio do povo palestiniano!
Nenhum apoio a Israel!

O genocídio brutal que Israel, com o especial apoio dos Estados Unidos, Reino Unido e União Europeia, incluindo, portanto, Portugal, está a cometer contra o povo da Palestina desencadeou o alerta e a revolta, nos últimos dias, num grito que ecoa nas manifestações de apoio à Palestina, um pouco por todo o lado, mas com destaque para as que têm tido lugar nos Estados Unidos da América, Reino Unido, França, Holanda, cujos governos, respondendo à “ordem” de Netanyhau no dia 24 de Abril, quando disse que “As manifestações deveriam ser travadas e claramente condenadas.…” executaram, efectivamente, detenções de centenas de manifestantes, tentando encontrar formas de os criminalizar.

A hipocrisia dos governos apoiantes de Israel não tem limites, mas atingiu um ponto tal que se torna cada vez mais difícil manter o seu discurso ambíguo justificativo da intervenção de Israel ao mesmo tempo que se apoia o genocídio deste povo com o envio e venda de armas. Tudo se reduz a relações de poder e de dinheiro! É isto o capitalismo!

As chamadas organizações humanitárias e dos direitos humanos, numa situação inaudita como esta, não têm qualquer eficácia como podemos comprovar com demasiada frequência...

Ler mais 

PAÍS

Transportes públicos urbanos: uma política absolutamente criminosa!

A semana terminou com o anúncio de que o governo havia decidido tornar operacional 90% de toda a frota de transporte público e privado convencionado com o Estado. Isto num contexto em que, devido a uma maior procura dos transportes públicos, antes da crise pandémica já se fazia sentir, para além dos efeitos de um depauperado serviço público, uma manifesta insuficiência da oferta de transportes.

Se não é criminoso deixar que apenas 40% da oferta de transporte público funcione durante as 3 primeiras semanas de “desconfinamento, então o que é isto? Sobretudo quando fizeram ouvidos de mercador às críticas de que seria impossível travar uma pandemia com transportes públicos a abarrotar de operários e trabalhadores que, após mais de 3 meses de confinamento policial mortífero, regressavam aos seus locais de trabalho para assegurar a venda da única mercadoria que possuem – a sua força de trabalho – para poder sustentar as suas famílias.

 António Costa e as meninas histéricas da Direcção Geral da Saúde – Graça Freitas – e do Ministério da Saúde – Marta Temido −, levaram a sabujice política que os tem caracterizado ao cúmulo da indecência. Para escamotear a decisão de “poupar” nos transportes, disponibilizando apenas 40% da frota, elegeram os jovens como sendo os responsáveis pelo novo “surto pandémico” que se regista actualmente na área de Lisboa e Vale do Tejo.

Apesar de ter tido algum eco, principalmente junto de uma parte da população mais vulnerável à mentira e à manipulação, rapidamente a mentira, que tem perna curta, ficou exposta através de centenas de fotos e videos demonstrativos de como os operários e os trabalhadores eram transportados que nem “sardinhas em lata”, nas suas deslocações para o local de trabalho e respectivo regresso a casa.

Não basta â burguesia explorá-los até à medula, humilhá-los, forçá-los a viver em bairros da periferia das grandes cidades – como é o caso de Lisboa –, na maioria dos casos em situação de completa insalubridade e desconforto, ainda lhes impõem transportes sem quaisquer condições de segurança e conforto, com horários e regularidade de carreiras absolutamente desajustados, criminosamente desajustados, no contexto da crise pandémica que atravessamos.

Também, o que esperar de uma besta inculta como António Costa, que ainda ontem, no programa do humorista Ricardo Aaraújo Pereira, afirmou, sem hesitação ou desassombro, que a vacina assegura a imunidade contra o vírus, enquanto os antibióticos os ... matam!!! Para que servem, afinal, as reuniões com os especialistas no INFARMED?

Se não servem para “iluminar” o cérebro amorfo de Costa, só podem servir para, lançando uma autêntica barragem de números indecifráveis para a maioria dos operários e trabalhadores, escamotearem o que está em causa e manipularem, a seu belo prazer, consciências sobre as políticas absolutamente criminosas que este governo – e órgãos que tutela – têm vindo a impor, seja sobre o sector da saúde, seja sobre o sector dos transportes, seja sobre o sector da habitação, ou qualquer outro sector onde a resposta aos interesses de quem trabalha é constantemente postergada.

29Jun2020

LJ

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País POLÍTICA GERAL Transportes públicos urbanos: uma política absolutamente criminosa!