CampanhaFundos202206

IBAN PT50003502020003702663054   NIB 003502020003702663054

26 de Maio de 2024

Nota à Imprensa

PCTP/MRPP informa a sua posição sobre o Serviço Militar Obrigatório no momento presente

Lisboa, 29/04/2024

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) considera, e sempre considerou, que a defesa do país compete a todos os cidadãos e não a um grupo de mercenários mesmo que este se designe por Forças Armadas Portuguesas pelo que propugna a prestação, por todos os cidadãos, de Serviço Militar durante um dado período de tempo a definir que lhes permita aprender as perícias militares para, em caso de ataque ao nosso país ou o seu bem-estar se torne impossível, se mobilizem rapidamente para, consoante o caso, repelir esse ataque ou instaurar o bem-estar popular.

Sobre o mesmo tema, o PCTP/MRPP reafirma hoje o que o camarada Arnaldo Matos referia já em 2016:

As Forças Armadas, de portuguesas, só têm o nome. As Forças Armadas ditas portuguesas são hoje um grupo de mercenários, lacaios do imperialismo americano, francês e alemão.

Todas estas tropas mercenárias deviam recolher a Penates, para serem imediatamente desmobilizadas.

Os portugueses não podem nem têm de pagar tropas para defender os interesses do imperialismo, precisamente aquele mesmo imperialismo que também explora o nosso povo em Portugal, nas fábricas que já não são nossas, mas francesas, inglesas, suecas e alemãs, nos bancos que são espanhóis, nos mares que já só falam castelhano.

Ler mais 

Estado em Degradação Política Reprime Violentamente Manifestações Pacíficas de Apoio à Palestina

À volta de 100 estudantes ocuparam durante cerca de uma semana as instalações do departamento de Ciências e Computadores da Faculdade de Ciências da Universidade do Porto, em favor da causa palestiniana. Eles exigem o fim das relações da UP com o Estado de Israel, face ao genocídio de Gaza. Por isso, entoaram palavras de ordem como "Solidariedade Proletária por uma Palestina Livre", "Israel não é uma democracia, Israel é um país terrorista" e "A Revolução começa aqui". Cânticos revolucionários, portanto.

Ler mais


O fascista ventura Afinal É Tão ou Mais Corrupto Que os Outros

André ventura, o nazizinho, campeão da honestidade e da luta contra a corrupção, ao fim de contas, é, comprovadamente, corrupto.

Em 2014, o bom do ventura assinou um parecer, enquanto inspector da Autoridade Tributária, que contribuiu para isentar uma empresa de Lalanda e Castro, ex-patrão de José Sócrates, do pagamento de 1,8 milhões de euros de IVA. Este caso foi investigado no âmbito do processo dos "Vistos Gold", por suspeitas de favorecimento de Lalanda e Castro, que também está referenciado na Operação Marquês e é acusado de corrupção no processo Máfia do Sangue. O andré ventura que serviu de peão na manobra de evasão fiscal de Lalanda e Castro é o mesmo histérico ventura que demoniza todos os beneficiários do RSI, incluindo crianças.

Ler mais

Manifestação Contra o Encerramento Nocturno da Urgência Pediátrica do CH Tondela - Viseu/ULS Viseu Dão - 1 de Junho

Para os partidos da burguesia, nada como campanhas eleitorais, oficiais ou não, para em palavras tudo resolver, mas chegados ao poder, o caso fia mais fino…

Num país que chora a baixa natalidade, a “solução” dos governos burgueses (o anterior e o presente) para o problema é encerrar maternidades e urgências pediátricas, primeiro aos fins-de-semana à noite, depois toda a semana à noite e depois, dia sim dia não, etc..

A propósito de mais um caso, o encerramento nocturno do serviço de Urgência Pediátrica do Centro Hospitalar Tondela - Viseu / Unidade Local de Saúde Viseu Dão Lafões, recebemos de uma cidadã mobilizada para a luta a Carta Aberta que abaixo publicamos na íntegra

Carta Aberta

O serviço de Urgência Pediátrica do Centro Hospitalar Tondela - Viseu / Unidade Local de Saúde Viseu Dão Lafões começou a encerrar, de sexta a segunda-feira, durante o período noturno, em março.

Ler mais

INTERNACIONAL

O chauvinismo, isto é, o patrioteirismo dos chamados marxistas-leninistas-maoistas da França e da Bélgica chegou ao ponto de se juntarem às forças imperialistas francesas e belgas para, em declaração conjunta, atacarem os seus compatriotas anti-imperialistas.

A declaração conjunta de 17 de Novembro de 2015 é muito esclarecedora: os pretendidos marxistas-leninistas-maoistas da França e da Bélgica dão preciosas informações às polícias e às secretas francesas e belgas sobre as relações entre os jiadistas dos dois países e a organização e condução do ataque a Paris. Se não acreditam, façam o obséquio de ler os seguintes seis parágrafos contínuos da declaração conjunta a que nos temos estado a referir (o texto integral pode ser lido no portal lesmaterialistes.com):

“É assim falso pensar que tais movimentos fundamentalistas não são mais do que fenómenos marginais espontâneos, que só existiriam para determinadas acções armadas. A sua rectaguarda deve ser entendida de maneira exacta, senão poder-se-ia julgar que se trataria de aventureirismo individual.

De modo concreto, o que se passou em Paris é o produto duma rede: certas pessoas que participaram nas acções de Paris vieram da Bélgica, um país que desempenha um papel importante para o fundamentalismo islâmico enquanto placa giratória, em particular em Molenbeek-Saint-Jean (em francês)/Sint-Jans-Molenbeek (em flamengo), uma Comuna da região de Bruxelas-Capital.

Nos anos 90 do século XX, houve aí uma revolta da juventude contra a opressão, em particular contra o racismo; com efeito, Molenbeek, que tinha perto de 100 000 habitantes, possuía uma forte população de origem imigrante. Com o fim de a controlar, a cidade agiu de maneira a que viessem imãs da Arábia Saudita, portanto uaabitas.

Este desenvolvimento do fundamentalismo islâmico seguiu a presença massiva da propaganda vinda da Arábia Saudita, a qual começou quando, em 1967, este país apoiou financeiramente as famílias atingidas pelo incêndio do grande armazém “A Inovação”, onde 323 pessoas morreram. Em contrapartida, o rei belga forneceu um pavilhão oriental, construído em 1897 para a exposição universal de Bruxelas, para sede do Centro Islâmico e Cultural da Bélgica; o fundamentalismo islâmico difundiu-se rapidamente, através da propaganda de massas e do financiamento da Arábia Saudita.

No decurso deste processo, Molenbeek tornou-se um bastião islamista. Um papel especial foi desempenhado pelo burgomestre (presidente da Câmara) socialista Filipe Moureaux, que pertence a uma família – os Blaton – cuja fortuna provém da BTP (operadora de títulos na bolsa) de Bruxelas.

Muito conhecido depois por, enquanto ministro, ter feito passar uma lei anti-racista em 1981, Filipe Moureaux, como burgomestre de Molenbeek de 1992 a 2012, conduziu uma imensa clientela na direcção do Islão e, mais especificamente, na direcção do fundamentalismo islâmico; chegou mesmo a casar, aos 71 anos de idade, com uma mulher da comunidade muçulmana mais nova 36 anos.

Molenbeek desempenhou depois um papel importante para o fundamentalismo islâmico. Os ataques a Paris foram coordenados a partir de Molenbeek e certas pessoas que nele participaram viviam também lá.”

A leitora e o leitor relevar-me-ão uma transcrição tão dilatada do texto da declaração comum do Partido Comunista da França (m-l-m) e do Comité (m-l-m) da Bélgica, mas é apenas para poderem verificar, com os vossos próprios olhos, como os marxistas-leninistas--maoistas da França e da Bélgica, vestindo a pele de verdadeiros bufos das polícias secretas dos dois países, denunciaram, ao quarto dia passado sobre os ataques de Paris, os jiadistas franceses, nascidos em França, e os jiadistas belgas, nascidos na Bélgica, como responsáveis pelos ataques à capital e inclusive indicaram a cidade de Molenbeek como o quartel-general do ataque a Paris…

Esta colaboração com a polícia na caça aos jiadistas é coisa que nunca se viu nas fileiras dos comunistas. Os auto-proclamados marxistas-leninistas-maoistas franceses e belgas são traidores à classe operária e aos comunistas da França e da Bélgica e não passam de traficantes da revolução proletária, lacaios do imperialismo. Esta canalha chegou ao ponto de denunciar compatriotas jiadistas que, ao contrário dos pseudo-marxistas-leninistas-maoistas, tiveram a coragem de se erguer em guerra contra o imperialismo.

Imediatamente depois de ser conhecida a declaração conjunta dos falsos marxistas-leninistas-maoistas da França e da Bélgica, a polícia e o exército belgas cercaram Molenbeek, assaltaram mais de 300 casas sem mandato judicial, encarceraram quarenta suspeitos e mataram um cidadão belga que demorou tempo demais a abrir a porta da sua residência. Foi em resultado da declaração conjunta que as polícias e os exércitos da França e da Bélgica passaram a considerar Molenbeek como quartel-general dos ataques a Paris, projectando para fora da França uma operação militar organizada e executada por jiadistas franceses, nascidos em França e sem dupla nacionalidade.

Partilhar

Comentários   

 
# Quibian Gaytan 20-05-2016 06:34
Saludos comunistas,
Tengo a bien informarles que, en entrada del blog Luminoso Futuro del 20 de febrero de 2016, hemos publicado bajo el rubro Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses: MENSAJE DEL CAMARADA ARNALDO MATOS AL CAMARADA LÚCIO su desenmascaramie nto de los reclamados Marxistas-Lenin istas-Maoístas franceses y belgas. De seguido el enlace: https://drive.google.com/file/d/0Bwo68T7ecF55NzhsRTRCaU9jYkk/view?usp=sharing
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Internacional Eu não sou Charlie! Os Marxistas-Leninistas-Maoistas da França e da Bélgica E os Ataques dos Jiadistas Franceses e Belgas a Paris