PAÍS

Opções que nos “oferece” o grande capital:
morrer de fome ou pelo COVID-19!

Sejamos claros. Muito antes da crise pandémica de COVID-19, já o sistema capitalista estava mergulhado numa profunda crise económica, política, social e financeira, uma crise sem precedentes na sua história, muito semelhante à Grande Depressão de 1929. Uma crise sistémica que a pandemia apenas exponenciou e, não, como alguns políticos e jornalistas fantoches querem fazer crer, provocou.

As crises do sistema capitalista manifestam-se, no essencial, por uma sobre-produção relativa. Segundo Marx, a causa última destas crises reside na subida da composição orgânica do capital, que ocorre mesmo que o capital variável (que serve para pagar os salários) cresça em termos absolutos, dado que a subida do capital constante é ainda mais rápida. O mercado expande-se menos do que a capacidade de produção.

Quanto às crises, dizia Marx, que elas “...são sempre apenas soluções momentaneamente violentas das contradições existentes, irrupções violentas que restabelecem momentaneamente, o equilíbrio perturbado”. Desta passagem, podemos deduzir que Marx considerava, portanto, que as crises capitalistas são necessárias para manter o próprio capitalismo.

E, a história contemporânea deste sistema comprova não só as contradições em que ele está envolvido, mas a inaudita violência que algumas dessas crises assumem. Porque sempre se fazem acompanhar pela destruição maciça dos meios de produção – encerramento e destruição de fábricas, desemprego em massa, destruição de excedentes de produção que consideram como “desperdício”.

À pala do terror induzido a propósito da crise pandémica de COVID-19, e impondo medidas terroristas de confinamento social, o sistema capitalista pretende neste momento três coisas:

•    Recuperar o equilíbrio perturbado, tal como assinalava Marx
•    Garantir a retoma do ritmo de acumulação de capital que a crise colocou em causa
•    Impor uma “nova ordem”, assente numa “reconfiguração” do modo de produção capitalista, cujos custos serão impostos à classe operária – a única produtora de mais-valia – e restantes trabalhadores.

Há que salientar, portanto, que a crise sistémica do sistema capitalista já se tinha agravado ao ponto de estar eminente uma guerra mundial entre dois blocos de superpotências – o  bloco sino-russo e seus aliados, e o bloco EUA e seus cada vez mais hesitantes apoiantes. Todos à procura de influenciar e dominar o mercado internacional, que lhes assegure, por um lado, as fontes de matérias-primas e, por outro, o escoamento das mercadorias que produzem em excesso relativo.

A crise pandémica de COVID-19 e as medidas terroristas de confinamento que foram impostas, agravaram “a incapacidade da sociedade para consumir tudo o que produz”. E isso é visível, tangível, naquilo que já nem a imprensa vendida consegue ocultar.

É o próprio New York Times, um dos mais lídimos representantes da imprensa burguesa mundial que, na sua edição de 22 de Abril de 2020, afirma: "Em vez do Coronavírus, será a fome que nos matará".

Desde o petróleo a preços negativos, devido ao facto de as grandes refinarias – sobretudo nos EUA, mas também na Europa – estarem atafulhadas de crude, até à destruição criminosa, em todo o mundo, de produtos que fazem parte da chamada “cesta básica” de alimentos – toneladas de frutas e legumes, milhares de ovos e de milhares de litros de leite, deitados ao lixo, reflectem bem o caos da produção e dos circuitos de comercialização que o sistema capitalista provoca e promove, enquanto milhões morrem à fome por todo o mundo. Vimos isso recentemente em Portugal, com os produtores de leite a verterem milhares de leite que não conseguem escoar, nas ruas. E vimos os agricultores a queixarem-se de que não têm saída para as suas produções, sobretudo de legumes e frutas.

O relatório do terceiro período do estado de emergência, elaborado pela Estrutura de Monitorização do Estado de Emergência, coordenada pelo ministro da Administração Interna, Eduardo Cabrita, dá especial destaque à "retracção da actividade económica" e, associada a ela,  aos “impactos negativos de curto prazo” que afectaram muito concretamente um conjunto específico de actividades económicas, mormente o alojamento e a restauração, o comércio de bens não-alimentares e todos os produtores que fornecem estes canais de distribuição. O relatório em causa confirma ainda a "existência de excedentes de produtos agrícolas"...

O encerramento de fronteiras e o recrudescimento avassalador do desemprego conduziu os agricultores –  sobretudo aqueles que assentam a sua actividade em micro e pequenas empresas – a excedentes de produtos sem precedentes. E isto por todo o mundo. O mesmo sucede com outros produtores europeus o que, a curto prazo – dado estarmos a falar, fundamentalmente, de produtos perecíveis – vai redundar num monumental ciclo de desperdício e numa ainda mais feroz concorrência.

Numa forma aparentemente contraditória, estamos a mergulhar numa crise global de alimentos que, segundo os especialistas poderá atingir – só até ao final do ano corrente – 265 milhões de operários e outros trabalhadores, desempregados e precários, mas também a usufruir de rendimentos baixos, pagos muitas das vezes com intermitência ou atrasos.

A burguesia, apostada em esconder o caos em que fez mergulhar os seus sistemas de saúde – no caso de Portugal, do SNS –, não conseguiu conter as ondas de choque provocadas pela crise pandémica de COVID-19, fundamentalmente porque, devido às políticas de gestão privada e capitalista dos hospitais e recursos de saúde disponíveis, não vislumbrou articular uma política de prevenção adequada que pudesse determinar um outro desfecho, acabou por decidir impor aos seus respectivos povos a criminosa política de confinamento.

E, com isso, agravaram a crise económica, política, social e financeira do seu sistema capitalista. Com todo o cortejo de fome, miséria e morte a que assistimos.  Na sua carta a Ludwig Kugelmann, escrita a 11 de Julho de 1868, afirmava Karl Marx:

"Qualquer nação morreria, se cessasse de trabalhar, não quero dizer por um ano, mas por algumas semanas, qualquer criança o sabe."

Apesar dos ensinamentos que puderam recolher dos efeitos que a pandemia provocou, primeiro na China e em praticamente todo o continente asiático, depois em Itália, os governantes do chamado “mundo ocidental” – no qual se inclui Portugal – não tiveram, nem quiseram ter, a capacidade para tirar proveito desses ensinamentos e agir em conformidade.

Desde uma incapacidade para assegurar os equipamentos de segurança necessária – máscaras, ventiladores, gel desinfectante, batas e roupa de segurança, etc. – até à ausência de uma política de articulação entre o sistema público e privado de saúde – sob tutela do Estado –, passando pela incapacidade de conhecer a capacidade industrial instalada em cada país que pudesse dar resposta a essas necessidades, tudo o que podia correr mal...correu!

O confinamento militar que nos foi imposto por toda a sorte de políticos vendidos ao capital, oferece aos proletários a oportunidade de se distanciar deste Estado tão adulado pela pequena burguesia. Devem parar de confiar no Estado dos ricos. Ele deve ser desconstruído, desarmando, assim, os plutocratas, abolindo a sua tarefa e a sua função. Depois disso, um mundo inteiro terá que ser construído, não uma pseudo-Nova Ordem Mundial baseada nas mesmas leis do capital ... mas um Novo Mundo sem capitalismo.

Não há que ter rodeios. A terceira guerra mundial já está em andamento. Se temíamos uma guerra nuclear, foi uma guerra viral que, no entanto, se abateu sobre as nossas cabeças. O proletariado português, unido aos seus irmãos de classe em todo o mundo, terão de enfrentar de vez o Estado do grande capital e destruí-lo, numa gigantesca guerra cívil ou, então, sofrer as consequências de uma guerra mundial imposta pelos detentores do capital.

17Mai2020

LJ

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País POLÍTICA GERAL Opções que nos “oferece” o grande capital: morrer de fome ou pelo COVID-19!