PAÍS

As caixas e fundos de pensão e de reforma pertencem aos assalariados

Segundo dados do Eurostat divulgados em Novembro de 2019, o tempo médio de trabalho na Europa era de 43,1 anos sendo que, em Portugal, era de 45 anos, só ultrapassado pela Itália – 46,3 anos – e pela Alemanha – 46 anos.

Constata-se, uma vez mais, que o nosso país aparece no pódio dos países europeus com a idade da reforma mais elevada e que, para além de a média dos operários e dos trabalhadores portugueses, em 2018, ter de trabalhar 45 anos , 21,5% deles tinha mais de 65 anos.

No quadro do Eurostat que abaixo publicamos, esta entidade identifica a idade média da população da União Europeia em 1990, 2018 e faz projecções para 2050.

IdadeMediaCidadaosEuropeusPorPais1990-2018-2050

Prosseguindo a sua política de servente e bom aluno do imperialismo europeu – e, sobretudo, germânico –, o governo Costa/Centeno, abertamente um executivo orientado para servir os interesses dos credores especulativos da banca e da finança mundial e europeia, decidiu recentemente, e sem que tal decisão merecesse, sequer, da parte da “esquerda parlamentar” – as inefáveis muletas do PCP, BE e Verdes – um vislumbre de oposição, aumentar a idade de reforma para 67,7 anos.

Isto é, quem tiver entrado no mercado de trabalho em 2018, só terá acesso a uma pensão completa aos 67,7 anos, o que constituirá uma das idades exigidas por lei mais elevadas para a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE).

Num quadro de uberização e precarização do emprego e de cada vez maior dificuldade de acesso ao mercado de trabalho por parte de trabalhadores com idades acima dos 50 anos, podemos vislumbrar o que irá suceder a um tal trabalhador quando atingir a sua idade de reforma em ... 2086!!!!

Para se compreender o que está em causa e que acções devem os operários e trabalhadores encetar para defesa dos seus fundos de pensão e reforma há que entender, desde logo,  que estes são uma parte do seu salário destinado a garantir a continuidade de consumo de bens após a sua fase activa, ao mesmo tempo que garantem a circulação de capital e a sua valorização.

Os comerciantes não demoraram muito a perceber que um trabalhador não poderia economizar e que, portanto, não poderia consumir, após anos a ser saqueado pelo capital, se não tivesse sido forçado à poupança, isto é, a constituir com o fruto da venda do seu trabalho, os fundos de pensão e reforma.

A guerra a que hoje assistimos, em todo o mundo, em defesa dos fundos e planos dos operários e trabalhadores, é portanto a consequência da falência do sistema económico capitalista e da sua insolvência financeira. Por um lado, os patrões – governo, sectores institucionais e empresariais – elegem cortar

•    nos planos de reforma,
•    no prolongamento do período de contribuição,
•    na redução de benefícios,
•    no aumento das contribuições,                                                                                              
para salvar o sistema capitalista. Do outro lado da barricada, os operários e trabalhadores não têm outra escolha senão lutar contra os cortes que já atormentam os aposentados empobrecidos e anunciam pensões e reformas ainda mais mal pagos para aqueles que ainda estáo a trabalhar duramente.

A tendência, a não ser contrariada por uma firme e decidida luta, será para que operários e trabalhadores dos países ditos desenvolvidos venham a ter tanto direito à aposentadoria e reforma como os operários e trabalhadores dos países subdesenvolvidos. O objectivo da burguesia e do seu sistema capitalista e imperialista é a de que a idade da reforma coincida com o ... fim da vida!

A verdadeira questão essencial da reforma das pensões que todos devem compreender é que um plano de reforma é essencialmente um fundo de pensão, ou seja, biliões de euros economizados dos rendimentos dos assalariados. Os fundos de pensão visam colocar esse capital à discrição do Ministro das Finanças, que poderá continuar a endividar o país (como o faz cada ministro das Finanças da União) até que o euro entre em colapso e desvalorize, levando ao endividamento governamental e as prestações de reforma a zeros (apaga-se da ardósia e recomeça-se).  Claro que o culpado disto é o modo de produção capitalista.

Não se pode lidar com a questão dos planos de aposentadoria - fundos de pensõese reformas, poupança dos assalariados em última análise - sem ter em conta o estado geral da economia capitalista. Pior, neste mundo globalizado e mundializado, não nos devemos restringir à economia nacional, mas devemos ter em consideração os parâmetros económicos globais, se desejarmos entender o que advém dos sistemas de pensão e do desempenho dos fundos de pensões que lhe estão associados. Não nos deixemos enganar, o interesse obsessivo do Estado nos nossos planos de reforma não significa complacência, antes expõe o seu apetite insaciável por novas fontes de financiamento que deseja obter dos pequenos ganhos - para encher os seus cofres.

O sistema económico capitalista totalmente anárquico está a definhar e os retornos dos investimentos afundam e a crise económica aprofunda-se e eis que os fundos de pensões não estão mais a gerar lucros suficientes para pagar pensões aos aposentados. Pior, o desemprego endémico reduz drasticamente as contribuições colectadas aos empregados, bem como a parte dos salários retirados pelos empregadores e depositados na forma de contribuições para o plano de pensão. Pior ainda, baixas taxas de juros pesam no retorno do investimento. O capital especulativo de mercado (no qual os fundos de pensões participam) está a volatilizar-se e as bolhas financeiras estão a estourar (2008 é o exemplo recente).

É completamente errado afirmar que o prolongamento da vida dos aposentados é uma variável nova, surpreendente e imprevisível. Escribas, especialistas ou não, e demógrafos sabem disso há décadas e os seus cálculos de contribuições dos assalariados para fundos de pensões levam em conta esse parâmetro perfeitamente conhecido e previsível. Os défices hiperbólicos dos fundos de pensão em todo o mundo são causados por duas variáveis independentes.

•    Primeiro, o subfinanciamento dos fundos de pensão por empregadores estatais e semi-públicos e por empregadores privados, que deixaram de pagar a sua parte e que hoje gostariam de ver essa dívida perdoada.
•    Segundo, as taxas de juro nulas ou negativas que paralisaram os retornos dos investimentos no mercado de acções, criando défices impossíveis de ultrapassar.

A actual crise económica é uma crise de sobre-produção devido ao sub-consumo de mercadorias (bens e serviços). Há muita capacidade de produção, muitas mercadorias em circulação, tendo em conta as capacidades de pagamento dos consumidores cujo salário médio real (depois de a inflação ter sido reduzida) ter caido em todo o mundo ocidental.

Além disso, os períodos de desemprego estão a ficar mais longos, enquanto os períodos de prestação de segurança ao emprego estão a ficar mais curtos. Após o período de desemprego, é a ajuda directa que aguarda a família dos desempregados e uma nova queda no poder de compra e, portanto, ainda menos consumo e mais sobre-produção, donde mais desempregados e menos contribuições para os fundos de reforma.

As diferentes economias capitalistas, particularmente nos países ocidentais, reagiram à queda drástica no poder de compra das famílias, abrindo crédito em abundância, apoiando temporariamente o consumo. Mas a dívida das famílias está a aproximar-se de um tecto irreversível. Os portões da dívida serão fechados em breve pelos banqueiros que já sabem que não poderão recuperar o que emprestaram.

Tudo isso levará a um colapso no consumo, que já está em péssimo estado. E agora, alguns governos europeus – entre os quais o de Costa/Centeno -  propõem extrair biliões de euros da esfera do consumidor, o que irá aumentar a massa de capital parasitário inflacionista, não utilizado nas bolsas de valores onde a disponibilidade de capital de risco já é muito alta e onde esse dinheiro servirá apenas para encher a bolha especulativa que sofrerá uma maior desvalorização no dia da implosão do falso sistema de capitalização.

Ou seja, economizar e guardar o dinheiro dos operários e dos trabalhadores num plano de aposentadoria apenas aprofundará a crise sistémica de sobre-produção/sub-consumo e conduzirá a economia ainda mais fundo na depressão, o que minará ainda mais os planos de pensão e o poder de compra dos aposentados.

Uma coisa é certa, no entanto: o dinheiro dos fundos de pensões não é um presente dos patrões ou do estado empregador dado aos assalariados. Fundos de pensões são parte do salário operário economizado, que os trabalhadores reservam para a sua reforma. Eles, e somente eles, devem ter o direito de decidir sobre a administração desses fundos - que o empregador seja estatal ou privado, é sempre o mesmo princípio que se aplica.

A negociação de convenções colectivas ou contratos de trabalho é o momento em que se confrontam os pontos de vista para fixar as modalidades de trabalho, os salários e os acordos de aposentadoria. O Estado não tem legitimidade para abrir unilateralmente as convenções de trabalho para impor novas condições de trabalho, de salário e de reforma aos assalariados.

Nenhum operário ou trabalhador remunerado deve jamais confiar no estado para lhe "dar generosamente" um plano de reforma bom, seguro, bem pago e financiado. Tudo o que o operário ou o trabalhador precisam fazer é investigar os benefícios dos pensionistas para entender que o estado – seja ele qual for - em falência e super-endividado está por todo o lado em modo de "salve-se quem puder" antes que o grande crash bolsista o engula, e não procura senão deitar a mão aos fundos de pensão e reforma dos operários e dos trabalhadores a fim de prolongar a sua agonia financeira.

A  batalha pela defesa dos planos de pensão e reforma é uma guerra pela defesa do poder de compra, pela defesa das condições de vida e do trabalho de toda a classe de assalariados. As caixas e fundos de pensão e de reforma pertencem aos assalariados. Esta é uma luta que se tem de travar no quadro da luta mais geral contra a escravatura assalariada e pela destruição do modo de produção capitalista que a sustenta.

Porém, é necessário dizê-lo com absoluta clareza. Os operários e os trabalhadores só alcançarão os seus objectivos se, à frente das suas lutas estiverem organizações e lideranças que não tornem as suas lutas reféns do pântano da concertação social, da conciliação entre classes com interesses antagónicos, como aqueles que opõem o proletariado e os trabalhadores ao grande capital e seus serventuários. Há que ter a coragem de isolar, denunciar e correr com aqueles que mais não têm feito do que vender as suas lutas pelos 30 dinheiros da traição.

09FEV2020

LJ

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País POLÍTICA GERAL As caixas e fundos de pensão e de reforma pertencem aos assalariados