Em bicos dos pés !

O PS sempre assumiu o papel de “vendilhão do templo”! Começou por vender a ideia de que a “opção europeia” era a que melhor servia o povo português. Sem qualquer discussão ou consulta prévia ao povo, decidiu aceitar as “regras” impostas pela então CEE, que obrigaram Portugal a destruir praticamente todo o seu tecido produtivo – desde a Lisnave à Mague, passando pela Sorefame, pela agricultura e agro-pecuária até à frota pesqueira e à marinha mercante. 

Queixa-se agora da monumental abstenção que se regista para as eleições para o Parlamento Europeu. Há 5 anos foi de 66%!!! Mas, o que esperar?! Aquando da adesão à CEE e à moeda única, o PS nunca tomou qualquer iniciativa de levar à discussão pública tais decisões e, muito menos, as suas implicações. Como, amor com amor se paga, a classe operária, os trabalhadores e o povo português, retribuem...com a sua abstenção! 

Abstenção tanto maior quanto verificam que a convergência e o progresso social anunciados se traduzem na existência de 113 milhões de pobres no espaço da UE, a que se juntam 32 milhões de trabalhadores que, apesar de terem algum rendimento de trabalho, o mesmo não é suficiente para assegurar um modo de vida digno e sustentável. 

Perante a força centrífuga da União Europeia e, sobretudo do euro, quando o descalabro da austeridade começou a fazer o seu caminho, todo ele pejado de vítimas do desemprego, da precariedade, de uma cada vez mais depreciado acesso à saúde, à educação, à cultura, à assistência social, à habitação, ensaiou o discurso de que “a Europa é boa, Portugal é que se tem portado mal”, escamoteando o facto de que o descalabro que hoje se vive assenta num défice descomunal que temos com a UE. 

Tal como afirmamos no nosso Manifesto Eleitoral “... é de um oportunismo inqualificável que, para caçar votos aos trabalhadores e mantê-los num regime de tamanha exploração, se iluda que a dívida não é a causa dos nossos problemas, mas sim a consequência desses problemas financeiros e económicos...” 

Estes novos Miguéis de Vasconcelos, que por opção entregaram a soberania de Portugal a terceiros – tal como no século XVI e XVII, os conjurados fizeram em relação à Espanha dos Filipes – escamoteiam que foi precisamente a destruição do tecido produtivo que criou as condições para que, hoje, a nossa balança de bens transaccionáveis esteja recorrentemente em défice, o que leva o país a ter de importar cerca de 80% daquilo que consome e de que necessita para gerar “economia”! 

Estamos, pois, perante gente – do PS ao PSD, passando pelas muletas dos dois, o CDS e PCP/BE e Verdes – que fez pior do que os traidores que assinaram o Tratado de Tomar, em 1581. Isto é, acolheram de forma descarada uma ainda maior abdicação de soberania do que a registada no século XVI, no qual, porém, como afirmava o nosso saudoso dirigente Arnaldo Matos, “... não perdemos a moeda, o que permitiu a Portugal recuperar a sua independência...” 

Traidores sem espinha dorsal que querem fazer crer que a situação que o país, a classe operária, os trabalhadores e o povo português, atravessam, nada tem a ver com os garrotes que representam para a sua economia este desequilíbrio estrutural da nossa economia e a acção de uma moeda forte como o euro – que convém a economias fortes como a da Alemanha – sobre economias frágeis como a de Portugal. 

Traidores que escamoteiam que um país sem moeda...não é soberano! E  não pode levar a cabo uma política independente sem que possua total soberania sobre a sua política orçamental, cambial, fiscal, aduaneira, bancária e financeira, como acontece actualmente, em que se assiste ao degradante espectáculo anual da submissão da Lei Geral do Orçamento de Estado da colónia à potência colonizadora, protagonizada pela Comissão Europeia que mais não representa do que os interesses de um directório liderado pela Alemanha imperialista e seus aliados. 

Após quatro Leis do Orçamento de Estado, aprovadas com o voto sem reservas das suas muletas do PCP/BE e Verdes, o directório imperialista europeu, liderado pela Alemanha, congratulou-se, por um lado, com a “paz social” que permitiu o “equilíbrio do défice” – leia-se, o assegurar do pagamento da dívida e do “serviço da dívida” (juros) aos credores -, à custa da famigerada política de “cativações” ,que Costa e Centeno conseguiram assegurar. 

Congratulação que passa, desde a Cimeira Europeia de Sibiu, pelo insistente rumor, de que o directório imperialista europeu, protagonizado pela Alemanha, estaria a analisar a hipótese de nomear António Costa para o cargo de líder da futura Comissão Europeia. 

Um prémio à traição aos interesses independentes e soberanos de Portugal, da sua classe operária, dos seus trabalhadores, do seu povo. Um prémio que vem no seguimento de outro que já havia sido conferido a Centeno, pela “excelência” de uma política económica, não ao serviço de Portugal, mas dos credores imperialistas. Uma política de submissão total aos interesses e regras que melhor servem a Alemanha e seus aliados. 

A classe operária, os trabalhadores e o povo português têm, nestas eleições para o Parlamento Europeu, a oportunidade de impor aquilo que o segundo candidato da Lista do PCTP/MRPP, o Dr. José Preto, advoga. Opor-se à Europa alemã que tem como propósito estender o seu domínio até aos Urais, como pretendia Hitler.


20Mai19                                                                                                            LJ

Partilhar
Está em... Home EUROPEIAS 2019 Em bicos dos pés