mobile porn porn video teen porn porn site XXX Porn Free porn videos Xnxx

EDITORIAL

A Crise das Pescas:

Barcos Parados Seis Meses Por Ano…

Nos quarenta e três anos posteriores à revolução de Abril, nunca houve nenhum governo provisório ou constitucional dotado de um ministro do Mar com a desejável competência política, económica e técnica. Tudo e todos uns incompetentes chapados.

No presente governo de António Costa, a ministra do Mar, que dá pelo nome de Ana Paula Vitorino, é a incompetência total e cega, promovida ao posto de comando.

Para Portugal, o mar, os recursos marinhos e marítimos da zona económica exclusiva e da plataforma continental, que abarca uma área de quatro milhões de quilómetros quadrados de superfície, correspondente à superfície da parte emersa de todos os países que constituem a União Europeia a 28, incluindo pois o Reino Unido.

Com quatro milhões de quilómetros quadrados de oceanos e de fundos marinhos, o Povo português tem um problema político muito sério: tem de armar-se até aos dentes, ocupar militarmente esse espaço marítimo, continental e aéreo e preparar-se para sair da União Europeia.

Com efeito, os recursos marítimos e marinhos são suficientes para garantir a independência económica, política e militar de Portugal, em vez de fazer dele, como realmente o fez depois da adesão ao Tratado de Roma, uma subcolónia do eixo Madrid- -Paris-Berlim.

Todos os ministros do Mar têm afivelado com êxito, como ocorre agora com a actual ministra Ana Paula Vitorino, a sua máscara de lacaios dos interesses imperialistas da Alemanha, da França e da Espanha.

Em quarenta e três anos de democracia – chamemos-lhe assim à coisa –, Portugal não tem nem nunca teve uma política independente em relação às suas águas e espaços marítimos e às riquezas neles contidas.

Os nossos ministros do Mar só servem para impor quotas de pesca aos nossos pescadores e às nossas embarcações; só servem para desmantelar e abater barcos de pesca, para reformar pescadores, em suma, para liquidar uma indústria e um sector económico que manteve o nosso país independente ao longo de centenas de anos.

Os governos portugueses não têm uma política independente de construção naval, de formação de pescadores e de preparação de oficiais das marinhas de pesca, de recreio, de comércio, da pesca artesanal e da longínqua, em suma, uma política económica susceptível de desenvolver o nosso país relativamente a um dos recursos com que a natureza melhor o apetre-chou.

Segundo o Instituto Nacional de Estatísticas, em 2015 havia em Portugal 4 188 barcos de pesca e 17 536 pescadores, matriculados em todas as capitanias, menos de metade dos efectivos existentes em 1985, data da adesão à Comunidade Económica Europeia.

Agora que se vai iniciar uma nova campanha de pescas, os armadores queixam--se de que as suas embarcações vão ficar em terra por falta de pescadores…

De uma forma geral, os armadores são o bloco da traição da política de pesca nacional.

Os armadores abatem as suas embarcações para receberem os subsídios da União Europeia e deixam a zona económica exclusiva portuguesa ao inteiro dispor das marinhas de pesca dos países mais ricos da União Europeia.

Agora que se vai iniciar a nova campanha de pescas, os armadores propõem-se pagar aos pescadores um salário base médio de 1 000 euros mensais brutos, enquanto que o pescador ao serviço dos armadores espanhóis aufere, em regra e em média, 1 500 euros mensais livres.

Os pescadores portugueses preferem emigrar e ir pescar para bordo de embarcações francesas, espanholas e alemães, em vez de se empregarem a bordo das embarcações dos armadores portugueses.

Os pescadores portugueses fogem do mar porque, enquanto segundos motoristas dos transportes de longo curso, nas estradas da Europa, ganham mais que a bordo das embarcações de pesca portuguesas.

De mais a mais, os pescadores portugueses poderão ter que trabalhar a bordo das nossas embarcações entre três semanas a um mês, com apenas um fim-de-semana de descanso, o que exige uma alteração radical do regime do contrato de trabalho a bordo das embarcações de pesca.

Por outro lado, os armadores portugueses, uma flor de entulho que explora desabridamente os nossos pescadores e os mata de cansaço e abandono nas ondas do mar, não querem subir o salário do pescador, como lhe é devido, preferindo obrigar o governo e a ministra do Mar a importar pescadores baratos das Filipinas e da Indonésia, em vez de aumentar os salários dos pescadores e marinheiros portugueses.

O governo de António Costa deve demitir imediatamente, por manifesta incompetência, a ministra do Mar Ana Paula Vitorino, defendendo a união dos pescadores e a criação de cooperativas de pesca, formadas pelos próprios pescadores, nacionalizando as embarcações dos armadores que as vendem aos espanhóis, franceses e alemães, os quais, com a venda das embarcações, entregam também as quotas das capturas que lhe são distribuídas em Bruxelas.

Os pescadores devem organizar-se em cooperativas de pesca para gerirem as capturas nas águas da zona económica exclusiva portuguesa. Sem perda de tempo!

21.03.17


Arnaldo Matos

 

 

 

Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Editorial Barcos Parados Seis Meses Por Ano…