Partido

O Bardamerda do Seixas da Costa

Arnaldo Matos

O Francisco Seixas da Costa é um jovem reaccionário de setenta anos, funcionário público, diplomata de carreira reformado, representante de uma família fascista salazarista de Vila Real de Trás-os-Montes, do qual escarracho aqui publicamente a idade, apenas porque o sujeito me catalogou de velho político no Blogue onde decidiu insultar-me por causa da minha participação no programa televisivo Governo Sombra, emitido, no último dia do ano passado, na TVI24.

Se ele é velho e eu sou velho, a que é que vem ele prosar da minha idade?

Seixas ataca os residentes do programa por me terem recebido complacentemente, como se tivessem o dever de me receber à paulada, apenas por eu ser um comunista… Ora, no programa, eu fui tratado pelos residentes com a mesma civilidade e educação com que foram recebidos e tratados todos os convidados anteriores, nomeadamente a ex-comunista Zita Seabra. O que é que levará um cretino como Seixas Costa a achar que eu devo ser maltratado na televisão, em vez de ser recebido como qualquer outro político?

E porque é que acha ele que não devo qualificar como social-fascista a ideologia dominante no PCP de Barreirinhas Cunhal e de Jerónimo de Sousa? Social-fascistas, sim: socialistas nas palavras, mas fascistas nos actos! Foram os militares do PCP no Conselho da Revolução – capitães social-fascistas de Abril - --que proibiram o MRPP de participar nas eleições para a Assembleia Constituinte, que ordenaram ao Copcon o assalto às sedes do meu Partido em todo o país; e que por aí prenderam, no dia 28 de Maio de 1975, 424 militantes do MRPP e os aprisionaram em Caxias e em Pinheiro da Cruz; e que me prenderam a mim próprio, sem qualquer fundamento, acusação ou julgamento em Bragança, no Porto e em Lisboa; e que dispararam balas de fogo real de G3 sobre homens, mulheres e crianças que se manifestavam na capital, exigindo a libertação dos homens, mulheres e jovens presos nas cadeias do regime de Abril, como muitos deles já haviam sido presos nas mesmas cadeias de Salazar e Caetano.

Seixas, meu bocado de merda, tu próprio tentaste perturbar um comício meu em Vila Real, na tua terra natal, em 1976, e aí fugiste de levar um enxerto de porrada monumental, tu e os teus amiguinhos fascistas e social-fascistas da bela cidade do heróico Carvalho Araújo.

Este velho provocador, Seixas de Merda, insinua, no seu Blogue, com a cobardia que o caracterizou desde sempre, que eu seria depositário e usufrutuário da subvenção pública de centenas de milhares de euros atribuídas anualmente ao Partido pelo Estado, e que, no programa televisivo Governo Sombra, teria sido pena que ninguém me tivesse perguntado por esse dinheiro, insinuando assim que eu ter-me-ia apoderado ilicitamente dele.

Seixas da Costa pensa que eu sou igual a ele, que nunca prestou contas dos dinheiros do Estado que gastou com desplante no Brasil, em Paris e noutras partes por onde passeou a sua farpela de diplomata de pacotilha. E nem sequer se acha no dever de explicar por que razão o Programa Governo Sombra me deve perguntar, a mim, pelos dinheiros do Partido, e já não deve perguntar a mais ninguém pelo dinheiro de outros partidos, designadamente aos dirigente e militantes dos partidos do Seixas da Costa, pelos dinheiros dos muitos partidos por onde já chafurdou o porco do Seixas da Costa.

Ora, no PCTP/MRPP, os dinheiros do Partido não passam nem nunca passaram pelas minhas mãos. E todos os anos os responsáveis pelo Departamento de Finanças prestam publicamente contas, nos prazos e formas devidas, ao Tribunal Constitucional das receitas e das despesas do Partido. Contas sempre aceites como correctas.

Se os meus interlocutores televisivos me perguntassem pelos dinheiros do Partido eu teria respondido sem hesitações do mesmo modo que aqui o faço.

Não sei é se tu e o teu partido, Seixas de Merda, estariam em condições de prestar as contas devidas. Mas é de presumir que se estivessem, com certeza não teriam feito aprovar a lei do financiamento dos Partidos que o Presidente da República acaba de vetar. Essa lei não foi proposta por mim nem recebeu o meu apoio, mas foi proposta pelo teu partido e recebeu o teu apoio.

E nota, nós achamos que as contas do nosso Partido deviam ser prestadas exclusivamente aos nossos militantes e ao povo português. Mas cumprimos a lei. E estão abertas ao povo e aos nossos militantes.

E, quanto a mim, nada tenho a ver com os dinheiros do Partido. Sei que o PCTP/MRPP está a pagar dívidas contraídas por liquidacionistas expulsos das suas fileiras, como Garcia Pereira e outros badamecos iguais a ti.

Um dia destes, Seixas de Merda, perguntaremos pelos teus gastos de dinheiros públicos. Vale?!

12JAN18

 

 

 

 

 

 

 

 


Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Partido O Bardamerda do Seixas da Costa