PAÍS

Operários da SONAEArauco de Mangualde: Basta de Escravidão!

(Do nosso Correspondente em Mangualde) A SONAE–Arauco de Mangualde, onde actualmente mais de uma centena de operários são despojados da sua força de trabalho, é hoje uma das empresas, em que os operários são sujeitos às mais duras e piores condições de trabalho, a nível nacional.

Desde que o PCTP/MRPP deu a conhecer nesta fábrica, através do seu comunicado dirigido aos trabalhadores do distrito de Viseu, os objectivos da luta nacional pela Semana das 35 Horas para Todos os Trabalhadores, são muitos os operários da Sonae que nos têm feito as mais diversas denúncias, manifestando a sua revolta contra a humilhação e a exploração a que estão sujeitos!

Quer pelos riscos que correm no exercício do seu trabalho, no meio de explosões frequentes, com ausência de medidas de segurança adequadas;

Quer pelo desgaste provocado pelo trabalho intensivo a que permanentemente são sujeitos, sem quaisquer compensações por isso;

Quer pelas irregularidades cometidas ao nível das remunerações e dos pagamentos pelo trabalho extra e dias feriado;

Quer pela ausência de pausas, para se poder alimentar e retemperar forças, durante os turnos de 8 e 12 horas seguidas, sem qualquer intervalo como aqui acontece, ao contrário por exemplo do que acontece na fábrica de Oliveira do Hospital pertencente aos mesmos patrões, e de onde veio o mesmo gestor que em Mangualde impede a existência dessas pausas;

Quer ainda pela chantagem exercida pelos chefes e até pelos Recursos Humanos da empresa junto dos operários, ao ponto de alguns vítimas de acidente serem instadas a evitar ir ao hospital…

Tudo, aqui, é violação das leis e regulamentos do trabalho; tudo é afronta à dignidade dos trabalhadores e falta de respeito pela honra da classe operária!

Mas, perante uma tal situação, é justo que se pergunte: - Como é que isto é possível?

Como é possível que uma situação destas se prolongue no tempo, ao longo de anos, como se de uma “condenação eterna” se tratasse?!...

- Em primeiro lugar, isto acontece, porque pelo menos no distrito de Viseu, existe uma fraude chamada Autoridade para as Condições do Trabalho (ACT), que pelos vistos tem medo dos patrões das fábricas deste distrito, ou então colabora activamente com eles e, contra os trabalhadores… Pois que nenhum operário da Sonae daqueles com quem falámos se recorda de alguma vez ter visto quaisquer representantes da ACT nesta fábrica!

- Em segundo lugar, isto acontece, porque os patrões da Sonae-Arauco de Mangualde, praticando um sistema de ordenados e compensações diferenciados, de tal modo que dentro de cada categoria e para as mesmas funções não haja dois ordenados iguais, semeiam assim a concorrência e a divisão entre os operários que isolados individualmente, ficam impossibilitados de fazer quaisquer reivindicações e lutar pela melhoria das suas condições de trabalho, sem que sejam logo alvos de represálias, penalizações e até mesmo de despedimento…

Perante esta realidade, só existe uma saída, valorosos operários da Sonae:

- Em primeiro lugar, Organizar! Em segundo lugar Lutar! E, em terceiro lugar, acreditar na vossa própria força, para Vencer!

- Só com uma Comissão de Trabalhadores eleita por vós, e composta pelos mais ousados e destemidos, podereis alcançar a vitória e impor as vossas reivindicações mais sentidas:

1.Exigir a aplicação de medidas de segurança, para proteção da vida de todos os operários da empresa Sonae e que evitem a ocorrência de acidentes como aquele verificado com o camarada António Pinto Gouveia, e tantos outros operários;

2.Impor o regime de pausa a meio do turno, para alimentação e recuperação das energias dos operários da Sonae-Arauco, tal como existe nas outras as empresas;

3.Aplicar o horário da semana das 35 Horas de trabalho para todos, tal como já é exigido por todos os operários portugueses;

Os Operários da Sonae-Arauco Vencerão!

Viva a Classe Operária!

Bento

16.06.2016

 

 

Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home País LOCAL Operários da SONAE – Arauco de Mangualde: Basta de Escravidão!