INTERNACIONAL

Estados Unidos – um crime de racismo ou um episódio da luta de classes?!

A burguesia americana e os seus aliados no mundo inteiro, persistem em considerar que o assassinato de George Floyd foi um acto de puro racismo. Os levantamentos populares a que assistimos em várias cidades americanas e noutros pontos do mundo, revelam, no entanto, que este assassinato decorre da intensificação da luta de classes nos Estados Unidos, larvar de há muito tempo a esta parte.

O que as manifestações de milhares de operários e trabalhadores americanos – de todas as raças e credos – nos estão a revelar, há vários dias seguidos, é a imagem geral do impacto da crise económica, da pandemia e do confinamento nos Estados Unidos na luta de classes naquele país.

Se é certo que a sublevação começou por ser um protesto da população negra contra o racismo assassino da polícia local, este evento rapidamente despoletou a agudização da luta de classes que, aliás, já levou a burguesia ao desespero, tendo-a obrigado a enviar milhares de soldados da Guarda Nacional (uma espécie de exército na reserva) para as ruas das várias cidades americanas onde ocorrem manifestações, protestos e levantamentos populares, alguns de grande magnitude, como foi o caso ocorrido hoje, frente à Casa Branca, que obrigou os Serviços Secretos a conduzir Donald Trump para o bunker que existe naquele edifício, a fim de garantir a sua segurança, enquanto as forças policiais tentam conter um movimento cada vez mais vigoroso e imparável.

A cidade de Minneapolis, no Estado do Minnesota – onde ocorreu o assassinato de George Floyd – ("cidade gémea" de St. Paul, capital daquele Estado) tornou-se o espelho da actualidade do que se passa no mundo inteiro. A crise sistémica do capitalismo e do imperialismo, agravada pela pandemia e pelo confinamento mortal, afectou o sector de serviços e o trabalho precário, os sectores de produção industrial e agrícola o que levou a que, no final do mês de Março, dois terços dos trabalhadores interrogados afirmassem que tinham trabalhado menos horas: 41% foram despedidos; 31% viram as horas de trabalho reduzidas e, somente 28% continua a trabalhar como é habitual.

Porém, no fim de Abril, empregos outroramente considerados seguros também deixaram de existir: 58% dos trabalhadores tinham perdido o seu emprego e somente 20% trabalhavam normalmente. Mas, entre os que foram despedidos, menos de um em cada cinco trabalhadores conseguiu, até à data, receber qualquer subsídio de desemprego. Tudo isto ocorre num contexto em que cerca de 40% dos americanos estavam, antes da pandemia, incapacitados de pagar despesas de urgência de 400 dólares.

Há uma semana, o departamento do trabalho americano assinalou que mais de 40 milhões de pessoas tinham solicitado subsídios desde o início da crise e, aproximadamente 30 milhões já os estariam a receber. O quadro geral indica que as facturas por pagar se acumulam e os bancos alimentares são mais solicitados do que nunca. Uma forma de a burguesia não abrir mão das mais valias que obtém à custa da exploração do trabalho, remetendo para a caridadezinha – tal como a burguesia portuguesa faz – esse papel.

Para uma parte importante da classe operária americana, o que a espera é um verdadeiro precipício. As noites quase festivas que incendeiam os edifícios e os símbolos dos corpos repressivos locais, odiados, filmando de telmóvel em punho como um louco só para obter uma recordação, oferece mais alívio do que outra coisa qualquer. Infelizmente, separados por todos os níveis de classe e na ausência de todas as formas de organização, eles reafirmam a ideologia da sua contingência pelos grupos demográficos (raciais) e identitários (étnicos) que é a estratégia da burguesia para manter impotente e dividida a classe operária daquele país.

A situação não é muito melhor no resto do mundo. Mormente na América Latina onde a ONU estima que 14 milhões de pessoas podem estar a sofrer de fome na nova fase da crise. A crise industrial é evidente, os encerramentos de fábricas e empresas apenas começaram. A Renault apresentou um plano de reducção de custos de 2 biliões de dólares. Em Espanha, 80% das pessoas interrogadas pensam que os seus salários vão congelar ou baixar. A OIT prevê que o desemprego entre os jovens se tornará “estrutural”, o quer dizer que assim ficará até nova ordem. A “geração covid” vai sofrer uma insegurança maciça em todos os países, incluindo a Alemanha.

O futuro do modo de produção capitalista é, seguramente, o caixote do lixo da história. A pandemia de Covid-19 apenas veio sublinhar o quão obsoleto e caduco ele é. A crise pandémica e a táctica de confinamento policial são programas temporários. Enquanto os clãs do grande capital mundial contam as suas armas virais, nucleares e convencionais, o proletariado internacional não deve perder a oportunidade de confrontar o aparato repressivo dos Estados dos ricos. Longe vão os tempos em que o proletariado era considerado como carne para canhão. Somos todos proletários e deveríamos transformar esta guerra reaccionária em guerra revolucionária.

02Jun2020

LJ

Corrigido às 8:50 de 04Jun2020

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home Internacional Estados Unidos – um crime de racismo ou um episódio da luta de classes?!