É esta a União Europeia da convergência e da prosperidade?

Apesar de ainda não se ter iniciado o período estipulado pela Constituição portuguesa para o início da Campanha Eleitoral para a eleição de deputados ao Parlamento Europeu, não passa um dia sem que a classe operária e os trabalhadores portugueses sejam martirizados pelo mito de “...ou é a Europa e o euro, ou é ... o caos!

Desde António Costa a Carlos Moedas, passando por Marisa Matias e Ferro Rodrigues, até João Ferreira do PCP, todos se agitam a defender os benefícios da “convergência europeia” e as “virtualidades” do euro.

Para esses, como para a direita trauliteira do PSD de Rui Rio e a extrema-direita tranmontana do CDS/PP de Cristas, tudo vai de feição, tudo vai bem, na Europlândia!

Por detrás das cortinas de fumo que vão lançando, por detrás das mentiras que vão produzindo, escondem-se, porém, as consequências reais e factuais, indesmentíveis, do “sucesso” de uma “união” a 28 que alegadamente passará, dentro em breve, a 27!

E quais são essas consequências?:

  1. Segundo dados de 2017 do insuspeito Eurobrarómetro, 113 milhões de europeus enfrentavam a pobreza e a exclusão social na União Europeia, o que equivale a 22,5% da população dos países que a integram.

  2. A agravar este já de si gravoso quadro, nesta Europa da apregoada “convergência”, o tão incensado paraíso de leite e do mel, é de 32 milhões o número de trabalhadores em risco de pobreza, representando 9,6% de quem nela trabalha e é explorado.

Nesta Europa da “convergência”, é cada vez mais pronunciada a desigualdade, o que revela que, quando se referem à “boa prestação” que instituições e economias comunitárias apresentam, a preocupação está totalmente virada para os mercados e os lucros, e de costas viradas para a satisfação das necessidades de quem trabalha – a máxima recorrente de António Costa é, por exemplo, a de que deve ser perseguido tudo o que “acrescente valor”, escamoteando que quem beneficia disso tem sido sempre o grande capital.

Os ventos neo-liberais que nos impuseram a vergonhosa ocupação da tróica, e subsquente perda de soberania, e que continuam a ter em Portugal quem os acolha, mormente o governo do PS de António Costa, com a ajuda prestimosa das suas muletas do PCP/BE/Verdes, redundam em cortes sem dó nem piedade das ajudas sociais para os mais pobres, enquanto os mais ricos recebem benefícios fiscais como se não houvesse...amanhã!!!

Segundo o Relatório de 2018 elaborado pela Rede Europeia Anti-Pobreza, esta resulta de:

  1. Maior precariedade do trabalho, assente em contratos sem qualquer vínculo, segurança e motivação, para o trabalhador.

  2. O cada vez mais difícil acesso à habitação, sobretudo nos grandes centros urbanos onde leis criminosas como a NRAU de Cristas – entretanto, “embelezada” com reformas avulsas por parte da coligação reaccionária de PS/PCP/BE/Verdes – promoveram despejos em massa que, só no ano de 2018, e em Lisboa, levaram à expulsão de 40 mil habitantes da capital. O suptacitado Relatório evidencia que a especulação imobiliária se tornou desenfreada, sem qualquer regulação ou travão e revela que, em Portugal, no período entre 2010 e 2016, o custo da habitação para as famílias mais pobres aumentou 40%, tendo essas famílias de gastar 35,1% dos seus rendimentos para fazer face, apenas, a esta despesa (!!)

Que partidos de direita e de extrema-direita como o PS, o PSD e o CDS/PP defendam esta mirífica “convergência europeia” e que a saída do euro e da UE seria altamente prejudicial para os diferentes sectores da burguesia que defendem – sobretudo a chamada burguesia nacional compradora – não nos deve espantar.

Vergonhoso é verificar que partidos que se reclamam de esquerda, como o PCP, o BE e os Verdes, se sintam confortáveis em acomodar, em amparar, em servir de muletas, a estes interesses, traindo miserávelmente, não só os interesses da classe operária e dos trabalhadores portugueses, como o dos operários e trabalhadores da Europa dita “comunitária”.

Uma “esquerda” que se dispõe a funcionar como força de bloqueio à unidade necessária para o desmantelamento de instituições e mecanismos que têm por objectivo explorar e escravizar todos os operários e trabalhadores europeus e transformar os seus respectivos países em meras sub-colónias do imperialismo dominante neste continente, que é o imperialimo germânico.

As taxas de abstenção nas eleições europeias que, ano após ano, têm vindo a crescer, atingindo níveis de 60%, e mais em toda a Europa (no caso de Portugal, em 2014, a abstenção cifrou-se nos 65,5%), revelam bem o desinteresse e desprezo que a classe operária e os trabalhadores da chamada “europa comunitária” – onde se incluem os países que aderiram à moeda única – nutrem pelas “virtualidades” da política de “convergência”.

Com uma classe política perfeitamente vendida aos interesses do imperialismo germânico, com a fascistização crescente que impede uma discussão séria e democrática sobre o papel reaccionário da União Europeia e o garrote financeiro que constitui o euro – sobretudo para países de economia frágil como é o caso de Portugal – outra coisa não seria de esperar.

Por isso, quando agitam o papão dos “nacionalismos” e dos “isolacionismos”, o que aqueles que impedem este debate estão a fazer é, precisamente, criar as condições para que as correntes fascistas e de extrema-direita floresçam por toda a Europa e cavalguem a onda de contestação que se agiganta, tirando partido do desaire que tem sido o euro e a União Europeia.

11ABR19

                                                                                                                              L J

Partilhar
Está em... Home EUROPEIAS 2019 É esta a União Europeia da convergência e da prosperidade?