CORRESPONDÊNCIAS

O Capitalismo, o Costa, o Marcelo, os Sem-Abrigo, a Miséria, a Revolução e a Justiça

O Capitalismo, o Costa, o Marcelo, os Sem-Abrigo, a Miséria, a Revolução e a Justiça

A pobreza, a fome e a miséria agravam-se no país, tal como os casos de pessoas sem-abrigo, sobretudo em Lisboa e Porto. Eis o capitalismo no seu esplendor. Eis a máquina que agrava as desigualdades de forma gritante.
“Ele (patrão) dava pão para a gente comer e a gente trabalhava 8 horas nessa colheita de uva”, conta Tânia Melo, imigrante brasileira. A proposta de ganhar 80 euros por dia passou a 300 euros por mês, para depois passar a nada. Eis a escravatura.
Não lhes restou senão vir embora. “Tinha 50 euros no meu cartão. Os bilhetes de comboio para Lisboa eram a 19 euros cada um”, recorda Márcio André, companheiro de Tânia. Chegaram a Santa Apolónia com pouco mais de 10 euros no bolso. Nada lhes restou senão a rua.
Em Portugal, há, pelo menos, 9000 pessoas que não tem casa, das quais cerca de 4000 estão em situação de não terem sequer um tecto. O que significa que, de 2020 para 2021, mais 800 pessoas chegaram à rua.
Atrás de cartões, dentro de tendas ou carros, há quem esteja a chegar às ruas pela primeira vez e em idades cada vez mais baixas.
Notam-se já os efeitos da inflação, pois têm aparecido cada vez mais famílias que, não estando em situação de sem-abrigo, pedem ajuda para comer. O número de refeições distribuídas aumentou para o triplo desde a pandemia e tem vindo a agravar-se este ano.
A situação não se resolve com caridadezinhas. Só a grande revolução que derrubará o Costa, o Marcelo e todo o capitalismo permitirá impor a igualdade e a justiça.

22Nov2022

A. P. R.

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home Correspondências O Capitalismo, o Costa, o Marcelo, os Sem-Abrigo, a Miséria, a Revolução e a Justiça