Opinião

CONTRA AS ILUSÕES ELEITORALISTAS PELO RESGATE DA AUTONOMIA E PELO BEM ESTAR DO POVO DA REGIÃO

CONTRA AS ILUSÕES ELEITORALISTAS

PELO RESGATE DA AUTONOMIA E

PELO BEM ESTAR DO POVO DA REGIÃO

 

O Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses entregou hoje a sua lista de candidatos às eleições para a Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira do próximo dia 22 de Setembro. 

A candidatura do Partido nestas eleições deseja desde logo exprimir o seu elevado tributo à memória e obra do grande marxista que foi o camarada Arnaldo Matos, fundador do PCTP/MRPP, e o nosso empenho em seguir o seu exemplo de permanente dedicação à luta dos pobres e explorados desta terra que o viu nascer e prosseguir o seu combate tenaz e sem tréguas contra todos os reaccionários, oportunistas, corruptos e traidores que campearam e que ainda hoje se mantêm no poder na Região e na falsa oposição dita democrática e de esquerda. 

A lista hoje acabada de entregar no Tribunal Cível do Funchal é integrada pelo número máximo legal de 94 candidatos, havendo pelo menos mais de uma vintena de homens e mulheres que exprimiram a sua vontade de participar na candidatura, subscrevendo a respectiva declaração de candidatura.

Dos candidatos do nosso Partido, 33 são mulheres, e a esmagadora maioria deles são trabalhadores da hotelaria, pescadores, operários da construção civil, pescadores, desempregados, donas de casa e comerciantes.

Esta candidatura representa assim quem é mais explorado e oprimido nesta Região Autónoma e a nossa voz nunca se calará em sua defesa dos seus interesses e aspirações a uma sociedade sem explorados nem oprimidos.

Ao contrário do que as trombetas eleitoralistas e demagógicas propalam diariamente e aos quatro ventos para caçar o voto aos cidadãos, com a actual clique no poder ou com partidos e coligações de falsa esperança e de manifesta desconfiança, a situação do povo trabalhador da Madeira e do Porto Santo em nada se alterou substancialmente de há cinco anos para cá.

O produto do roubo dos salários e das pensões, de que foram vítimas os trabalhadores e reformados no governo da Tróica e do flibusteiro Alberto João Jardim, não só não lhes foi devolvido como o pseudo-crescimento económico que apregoam os partidos do poder foi obtido à custa de uma continuada e intensa exploração de quem trabalha, através de salários de miséria, do aumento de impostos, de ritmos de trabalho infernais, da precariedade e de sujeição a leis de trabalho fascistas impostas pela Tróica dos amigos de Albuquerque e Centeno.

A dívida pública da Região Autónoma da Madeira, embora tenha registado uma ligeira e artificial descida relativamente ao ano de 2015, continua a manter-se em níveis insuportáveis e impagáveis nas próximas décadas, tendo atingido mais de 5.190 milhões de euros no final de 2018.

Seja como for, quer Cafôfo, quer Miguel de Albuquerque, persistindo no pagamento dessa dívida (que, é bom não esquecer, inclui a quantia de 1,2 mil milhões de euros de dívida escondida por Alberto João Jardim e seus capangas desde 2003) será sempre à custa do sofrimento e exploração dos operários e trabalhadores madeirenses e porto-santenses que o tentarão fazer.

O desemprego, ainda que tendo diminuído, atingia em Março deste ano 9.800 trabalhadores, sendo que apenas 4.060 desses desempregados auferiam subsídio de desemprego;

Direitos essenciais, como o direito a uma habitação digna e barata, e o acesso à prestação gratuita e em tempo de serviços de saúde continuam a ser negados a milhares de famílias da Região.

Importa salientar que tudo isto sucede, não apenas por força da política reaccionária e corrupta dos sucessores do fascista Alberto João Jardim, como pela política igualmente reaccionária do governo de António Costa, cujos seguidores se pretendem agora alcandorar ao poder e aos tachos da governação nesta Região.

Cafôfo - que não deixou de tecer elogios a Alberto João quando este foi agraciado pelas suas patifarias –, com o PS no governo regional, irá servir, tal como o PSD, a mesma classe regional, a burguesia compradora e, com a colaboração traidora de PCP e BE, agir da mesma forma que Costa no governo central – opor-se ao reforço da autonomia e ao seu resgate pelo povo da Região; reprimir as greves dos trabalhadores, permitir que agiotas como Centeno continuem a roubar os madeirenses nos juros que cobram nos empréstimos à Região; vergar-se aos ditames de Bruxelas e Berlim, permitindo a faina dos barcos de pesca estrangeiros, em particular os espanhóis, na zona económica exclusiva da Madeira, não assegurando a sua defesa militar.

Sempre tendo como objectivo central e final a emancipação dos trabalhadores da exploração capitalista e a instituição do modo de produção comunista numa sociedade sem classes, a candidatura do PCTP/MRPP continuará a bater-se pelo resgate da autonomia político-administrativa reconhecida ao povo da Madeira e do Porto Santo após o 25 de Abril e por que este povo lutou durante seis séculos, mas que foi usurpada pela classe dominante e seus lacaios; autonomia que deve passar a ser, antes de tudo, um vasto movimento de emancipação política e cultural do povo da nossa Região, e no âmbito do qual devem introduzir-se as transferências de todos os poderes políticos e administrativos que ainda não foram transferidos, com excepção das Forças Armadas, da Defesa Nacional, do Supremo Tribunal de Justiça, da representação externa, da diplomacia, da moeda e do orçamento nacional.

Serão igualmente objecto do programa da candidatura do PCTP/MRPP, cujas linhas gerais oportunamente divulgaremos, entre outros os seguintes pontos: a defesa da semana das 35 horas para todos os trabalhadores do sector público e privado, a renacionalização da TAP e medidas urgentes no campo dos transportes na Madeira e no Porto Santo e entre estas ilhas e nas ligações entre a Região e o continente; o aumento de todas as pensões e reformas de valor inferior ao salário mínimo nacional para o limite mínimo de 615,00 euros; a abolição das taxas moderadoras no serviço regional de saúde e a urgente construção do novo Hospital que o PCTP/MRPP foi o primeiro a defender e a reorganização do serviço regional de saúde; a abolição das proibições ou limitações da captura de peixe.

Na Assembleia Legislativa da Madeira, iremos combater os capitalistas ricos e corruptos, os poderosos sem escrúpulos e todos os seus lacaios, opormo-nos a todas as medidas anti-operárias, anti-populares e anti-patrióticas e lutar com denodo e sem descanso pelo progresso e bem estar dos pobres e oprimidos da nossa Região.

Funchal, 08AG19


A Candidatura do PCTP/MRPP 

à Assembleia Legislativa da Região Autónoma da Madeira



Partilhar

painelinscreve 01

 

Política geral

Teatro orçamental

As desinteligências partidárias à “esquerda”, relativamente à aprovação do orçamento de Estado para 2022 têm inspirado manchetes por toda a comunicação social.

 Quem não conheça a história recente do fiel apoio dispensado por BE e P”C”P aos orçamentos de recuperação capitalista do governo do PS, poderá até ser levado a crer que estamos perante uma radicalização e forte oposição daqueles partidos à actual proposta orçamental. Quem já conhece este bailado não se deixa, no entanto, enganar.

Ao longo dos quatro anos do governo da geringonça (na sua versão oficializada) a “esquerda” institucional aprovou os orçamentos liberais do governo, sem contestação consequente. Desde que vigora a versão não-oficial do acordo entre os três partidos que a aprovação tem sido garantida com a alternância do voto favorável de P“C”P e BE. “Ora agora votas tu a favor, ora depois voto eu” e vice-versa.

Ler mais


A OUTRA REVOLUÇÃO CULTURAL

O governo fascista de António Costa trata os artistas e os trabalhadores da cultura abaixo de cão. Claro que há os artistas da corte, os pimbas e os versejadores da corte. Não nos referimos a esses vendidos. Além de gritantes situações de precariado e de desemprego muitos trabalhadores da cultura recebem do governo migalhas e esmolas de pouco mais de 400 euros mensais. Os artistas também raramente podem actuar. Há poucos eventos. Uma miséria! Não dá para nada. A situação agravou-se com a pandemia, mas a pandemia não explica tudo. É o capitalismo, o controle e a vigilância a funcionar. O governo não quer apoiar os artistas e os trabalhadores da cultura, em especial os artistas subversivos, porque sabe que estes querem consciencializar e provocar as pessoas, elevar o seu nível cultural, ajudá-los a tornarem-se cidadãos de plenos direitos e de liberdade e isso pode ser muito perigoso para os poderes.

Ler mais


Uma Mudança de Métodos

MedinCMLisboaa pediu desculpa.

Quem pede desculpa é porque acha que pode ser inculpado; e isso porque tudo indica que é culpado.

Ler mais


 Os detentores do capital representados nos tumultos da luta de classes

"Os ingleses" estiveram a semana passada em Portugal, enchendo maioritariamente a cidade do Porto, devido à final da liga dos campeões.

Ler mais


 Caracterização de um presidente

Ainda a propósito do que toda a gente sabia sobre Odemira.

EstufasOdemira"Precisamos dos imigrantes para um tipo de trabalho que os portugueses não querem", disse o vendilhão de afectos de Judas, hipocondríaco-mor, o bobo dos holofotes, o papagaio-nu deste território. Já ninguém o leva a sério, tal como este país fica cada vez mais à deriva.

Ler mais


 A casa da música dá música aos trabalhadores desafinados

Ler


 O que é que se comemora no dia 25 de Abril?

Ler


Operação Marquês:
a histeria histriónica invade o espaço público

Ler


 A TRANSIÇÃO DIGITAL E AS SUAS CADEIAS: PRÓDIGOS DO CAPITAL E DA SUA CLASSE

Ler


Partido

Não esqueceremos Ribeiro Santos e Alexandrino de Sousa!

ComitesRibeiroSantosPeloPovoTudoDarPorMelhoresDiasResistenciaRSASOs camaradas José António Ribeiro Santos e José Alexandrino de Sousa foram e são dois inquestionáveis revolucionários, quadros servidores do povo oprimido e trabalhador, e sobretudo, dois comunistas marxistas de primeira água! A esmerada acção destes camaradas, em favor do Partido e da Classe Operária portuguesa reveste-se de uma considerada e singular importância!

Ler mais


Sigamos o Exemplo Revolucionário do
Camarada Alexandrino de Sousa

 AlexandrinoFuneralMartinsSoaresHá 46 anos atrás, no dia 9 de Outubro de 1975, perdia-se na luta um camarada. Alexandrino de Sousa era o seu nome, a sua luta visava a sociedade sem classes. Estudava direito na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa, sendo um dos membros da Federação dos Estudantes Marxistas-Leninistas, a organização para a juventude estudantil do Partido àquela data. Foi assassinado, de forma vil e cobarde por um bando de neo-revisionistas, estes militantes de um partido traidor que mais tarde se integrou numa coisa reaccionária e contra-revolucionária designada por Bloco de “Esquerda”, o que por si só já nos dá a entender de que tipo de gente estamos a falar e quais os seus interesses de classe, obviamente distintos daqueles pelos quais este camarada ousou lutar até ao último sopro.

Ler mais


 

Cartaz18Set2021


A Luta de Classes no Partido do Proletariado

 Como já é do conhecimento dos nossos camaradas e leitores do Luta Popular, a luta ideológica e política dentro de um Partido Comunista Marxista Proletário é notoriamente forte e feroz, verificando-se duas perspectivas de acção e luta.

Ler mais


Local

 

ComunicadoSinaga202110044Um ataque violento que se abate sobre o movimento operário nos Açores

 

 

ComunicadoSinaga202110043A organização do nosso Partido na Ilha de São Miguel desencadeou hoje uma acção de agitação e propaganda  junto da fábrica de açúcar - Sinaga, com a distribuição de um clarividente comunicado, onde denuncia e retrata os crimes das sucessivas administrações da Sinaga e dos Governos Regionais da burguesia contra a classe operária açoriana, a história do movimento operário nos Açores, como também em relação à memória da indústria açórica, e daqueles que laboraram durante décadas a fio numa das mais importantes unidades fabris em território regional açoriano. Terminada a distribuição às portas da Sinaga, os camaradas António Vital, José Afonso Lourdes e Pedro Leite Pacheco que compunham a brigada, continuaram a sua acção de agitação e propaganda revolucionárias nos arredores da fábrica, onde auscultaram as amplas massas populares, obtendo testemunhos de indignação em resposta ao vil ataque àquela unidade fabril e ao seu património histórico, dizendo que o Governo Regional em conluio com a administração canalha da fábrica, iniciaram a destruição de várias máquinas da Sinaga, muitas dessas com um valor considerável.

Ler mais

 


Porto

 

Como Se Faz Vigarice Chamando-lhe Investimento

SelminhoA vigarice, a especulação imobiliária e a corrupção infestam o nosso país. A autarquia do Porto não foge à regra. O presidente da Câmara, o reizinho Rui Moreira, é arguido no "caso Selminho", que vai a julgamento a Novembro. Moreira assinou uma procuração para a Câmara negociar com a empresa de que também é sócio, num negócio em que a família do autarca ganhava sempre. Um belo exemplo de rectidão e virtude. Este senhor só merece cair, tal como os Berardos, os Vieiras, os Salgados, os banqueiros, os políticos da máfia e do sistema e todos os outros bandidos, essa corja sem nome que rouba o povo.

Ler mais


Internacional

A propósito dos acontecimentos em Cuba

CubaSão tempos de grande agitação social aqueles que se vivem em Cuba. O bloqueio assassino a que o país está sujeito por parte dos Estados Unidos continua a ser um enorme empecilho ao desenvolvimento económico da nação cubana e a pandemia veio agravar as situações de enorme pobreza que afectam uma grande parte do povo cubano. Esse mesmo embargo não pode, contudo, ser desculpa para a situação actual do país. Ao longo dos anos, o Partido Comunista de Cuba levou a cabo sucessivas reformas, acentuadas a partir do colapso da União Soviética revisionista (de quem Cuba sempre foi seguidista), que afastaram Cuba cada vez mais do suposto socialismo que, nas palavras dos seus governantes, é a ideologia oficial do regime.

Ler mais


OS JOVENS DESEJAM ACABAR COM O CAPITALISMO, E MUITO MAIS...   

Bem sabemos que o socialismo ainda se enquadra no modo de produção capitalista, numa espécie de último estertor ideológico deste modo de produção caduco e podre, quando o modo de produção comunista começa a estar na ordem do dia. Não deixa de ser significativo, contudo, que cada vez mais frequentemente o desejo manifesto de socialismo  pelos jovens (pelo que dizem na verdade de comunismo) compreenda também a crítica aos erros passados do movimento comunista: «setenta e cinco por cento dos entrevistados concordaram que “o socialismo é uma boa ideia, mas falhou no passado porque foi mal executado”» .

Ler mais


As Represálias que se Seguem à Derrota Militar de Israel

 As potências imperialistas dividem e partilham o Mundo de FaixaDeGaza2021ONUacordo com os seus interesses expansionistas, de saque e de exploração dos povos.
Assim aconteceu no final de cada uma das guerras mundiais e todos os conflitos, ocupações e guerras que o imperialismo fomenta não têm outra coisa em vista, a não ser a imposição e manutenção de um modo de produção que permita a exploração dos trabalhadores, os lucros exorbitantes e o saque das matérias-primas, o domínio e aumento de mercados assim como a ocupação e expansão dos seus territórios.

Ler mais


A crueldade é um lamentável efeito secundário

Ler


Mundial de 2022 - Catar

 O capitalismo previu e premeditou a morte de mais de 6500 pessoas!
O “fantástico” mundo deplorável e de alienação do futebol, serve para entreter o cidadão e matar gratuitamente quem morreu ao sol, trabalhando!

 Primeira parte – Introdução

Ler mais


A alteração geopolítica no Golfo

Irão: um assassinato prenunciador da guerra inter-imperialista!

Ler


Saúde

A NUA REALIDADE DOS ENFERMEIROS – UMA EXPLORAÇÃO ATROZ E INDIGNA

O tratamento que tem sido dado aos enfermeiros nos últimos anos, com especial destaque para os dois últimos, é representativo da natureza dos vários governos e, neste caso, de um governo que se rege e é vassalo do sistema capitalista

Ler mais


 Luto contra três gigantes, querido Sancho; estes são: o medo, que tem forte raigambre e que toma conta dos seres e os sujeita para que não ultrapassem o muro do socialmente permitido ou admitido; o outro é a injustiça, que subjaz no mundo disfarçada de justiça geral, mas ...

O confinamento capitalista autodenuncia-se e anuncia o seu fim

Ler mais


 A escandalosa situação dos contratados no Serviço Nacional de Saúde

Ler


 2020 - Maior índice de mortalidade desde 1920!

Ler


Balanço trágico entre “menos mortes” Covid-19 e mais mortes não-Covid!

Ler


Correspondências

Do nosso correspondente em Coimbra recebemos este interessante artigo que agora publicamos:

Reflexão sobre o proletariado: estudo de caso

Ao longo das últimas décadas, nos países ditos desenvolvidos, temos assistido à exportação das contradições entre o trabalho e o capital. Com a mecanização da produção agrícola, a automatização da produção industrial, e a deslocalização da produção primária para fora das metrópoles, deu-se inevitavelmente também um offshoring significativo do proletariado, para os países periféricos.

Este fenómeno confirma-se consultando dados estatísticos que revelam um enorme movimento demográfico em Portugal, dos sectores primário e secundário para o terciário.1 Naturalmente, não se pode daqui concluir que não haja proletários explorados no quadro económico nacional, inclusive na agricultura e na indústria. No entanto, interessa notar que existem fracções do sector terciário que, não estando directamente ligadas ao processo produtivo, são fundamentais para o funcionamento das cadeias de produção e realização das mercadorias.

Este fenómeno representa uma considerável alteração da estrutura produtiva em Portugal, levanta a questão de quem constitui, na actualidade, o proletariado nacional, enquanto classe em si. Serão apenas os operários fabris e outros trabalhadores do sector secundário, ou devemos também incluir alguns dos trabalhadores que exercem funções no sector terciário? Se sim, quais?

Ler mais


Vale de Cambra - Construção Civil

Mais 4 vítimas operárias da guerra de classes:
Um morto, dois feridos graves e um ligeiro em Vale de Cambra

Ler mais


Juventude

Sobre a Praxe

É quase impossível, na actualidade, pensar o Ensino Superior e o contexto académico sem fazer uma análise à praxe e, na esquerda reformista (reaccionária no plano material) existem duas posições distintas a conhecer:

Ler mais


O Departamento da Juventude do PCTP/MRPP reuniu no Porto

Dando cumprimento à resolução para a reorganização da juventude revolucionária do I Congresso Extraordinário do Partido, foi constituído e, no passado dia de 12 de Janeiro, reuniu na cidade do Porto o Departamento da Juventude do PCTP/MRPP, tendo elegido o camarada José Afonso Lourdes seu secretário.

Ler mais


Educação

A propósito da proibição das aulas on-line

A igualdade e a equidade constitucionais social-fascistas
(socialistas pouco, fascistas muito)

Há pouco mais de uma semana, com a pompa e circunstância e falsidade que lhe é tão característica, o primeiro ministro Kôsta, decretou, a respeito de uma das medidas do novo estado de confinamento, o fecho das escolas e a proibição das aulas on-line.

Ler mais


 Um país sem cultura não é um país!

No passado dia 2 de Dezembro, em frente ao teatro Rivoli, no Porto, decorreu uma iniciativa que reuniu cerca de 100 universitários da Escola Superior de Música e Artes do Espetáculo (ESMAE), Faculdade de Belas Artes da Universidade do Porto (FBAUP), Faculdade de Arquitectura da Universidade do Porto (FAUP), Escola Superior de Media Artes e Design (ESMAD) e Escola Superior de Artes e Design (ESAD)

Ler mais


Ensaio

A vida de um cantoneiro em Portugal!

Este artigo demorou a ser publicado, porque o capitalismo resolveu novamente fazer das suas! O nosso camarada/correspondente do Norte, e entrevistado neste artigo, esteve num total estado de estagnação, ...

Ler mais


II Congresso Extraordinário

II Congresso Extraordinário
no 1º de Maio de 2022

O MRPP formou-se em 1970 para dar voz ao povo português, amordaçado pela política fascista, retrógrada, reaccionária, opressiva, ditatorial, policial, persecutória, a-científica e anti-científica, do autodenominado Estado Novo, e atacou à cabeça o revisionismo, principal agente da burguesia no seio da classe operária, procedendo, desde quase logo à sua nascença, três meses depois de formar-se, em Dezembro do mesmo ano, a um balanço da direcção política do partido que se reclama da classe operária e do comunismo, o PCP, formado em 1921 e em 1970 já com uma longa marcha de embuste e equívocas assunções, de falsidade e fragilidade ideológicas, de empirismo, de oportunismo, de golpismo, de prepotência, de insídia e traição contra-revolucionárias.

Publicado no BANDEIRA VERMELHA nº 1 em Dezembro de 1970 e com uma nova edição em Fevereiro de 2020, “REORGANIZAR O PARTIDO REVOLUCIONÁRIO DO PROLETARIADO – Necessidade histórica e tarefa central dos comunistas portugueses”, continua a ser de uma premente actualidade para os operários e comunistas portugueses, pois, mais uma vez, a Classe Operária e o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) estão confrontados com as sereias revisionistas a desarmarem as massas trabalhadoras para o campo ficar aberto à avassaladora progressão do capital no nosso país, manipulando, cercando, excluindo e controlando economicamente o povo português a uma dimensão nunca antes alcançada – significado de que também a revolução avança, que a luta de classes se clarifica e que urge preparar o Partido da Classe Operária para a vitória dos trabalhadores na crise que se agiganta.

Só os trabalhadores podem vencer a crise!

Viva o II Congresso Extraordinário!

Viva o Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP)!

18 de Setembro de 2021

O Comité Central  

Eleições Autárquicas 2021

Em Loures, o que está a dar é um Putedo de Coligações de partidos.
É fartar Vilanagem!

Em Loures, no pós-eleições autárquicas, é tudo um Putedo de coligações políticas; o deboche chegou com uma Coligação na Câmara Municipal de Loures, um acordo, após as eleições, entre o PS e o PSD de Loures — é a Rosa Laranja que renasce em Loures!

Também na Junta de Loures temos uma “Vodka Laranja” — um acordo entre a CDU e o PSD de Loures, para repartir os lugares na Junta de Loures; uma pouca-vergonha!

Ler mais


A nossa participação em Aveiro nas eleições autárquicas e o significado dos resultados das mesmas

As eleições para a Câmara Municipal de Aveiro, realizadas no passado dia 26 de Setembro, caracterizaram-se – como o Partido afirmou, durante toda a campanha eleitoral, que iria acontecer – pelo facto da maioria absoluta dos eleitores as ter desprezado. A abstenção atingiu os 51,47%, o mesmo nível de 2017, mas ainda mais do que os 50,91% registados nessa data, e os votos brancos e nulos somaram, numa outra forma de abstenção, 5,34% dos votantes. Nem o isco dos “milhões a distribuir” do anunciado PRR que vão estar ao dispor do município (de Aveiro e de todos os outros…) foi capaz de inverter o movimento para a abstenção. Susteve-o momentaneamente, mas foi incapaz de o inverter.

Ler mais


Tempos de Antena Loures


A penúltima acção de campanha

ao portão da Bosh - Aveiro
 PropagandaComunistaAAPortaDaBosh


Programa eleitoral
concelho de Loures

ProgramaLouresNestas eleições, como no passado, está montada uma farsa eleitoral manipuladora que promove a eleição e manutenção de corruptos e incapazes, de vendedores de falsas promessas: um sistema antidemocrático com promessas que não cumprirão.
Em Loures, os partidos CDU/PS com as suas muletas tornaram-se na maior agência de empregos.

Ler mais

 


Por um SIMAR com futuro

ComunicadoSimarO SIMAR (Serviços intermunici-palizados de águas e resíduos) de Loures e Odivelas transformou-se numa empresa de contratar Empresas, recorrendo sistemati-camente à contratação exterior num ciclo vicioso que é preciso inverter rapidamente, sob pena de caminharmos para a sua destruição e, consequentemente, para  o desemprego que lhe está associado.
São 37 milhões de euros por ano do SIMAR que são entregues a privados, cerca de 40 % de perdas físicas de água, milhões de euros em perdas físicas e comerciais na distribuição de água:  esta gestão coloca em causa o futuro da nossa empresa e o nosso futuro.

Ler mais


                          OS CARTAZES DE LOURES                          

CartazLoures2021

CartazTojal2021

 

PROGRAMA DA CANDIDATURA OPERÁRIA
POR UMA POLÍTICA AO SERVIÇO DO POVO

ProgramaAveiro2021Nas duas últimas eleições para a Câmara de Aveiro 51% dos eleitores não votaram e, dos que votaram, mais de 6% votaram branco ou nulo.
A classe operária e a juventude não votam, ou se votam é com os pés: emigram, elegem um outro lugar onde pensam poder ter uma vida melhor. E sem uma mudança profunda, o problema só se agravará.
É a legitimidade das acções dos “eleitos” que está em causa: como é que alguém se pode arvorar em executor de uma dada vontade popular se muito mais de metade dos eleitores não expressou essa dada vontade? Os “eleitos” são entronados mas dificilmente representam mais do que mesquinhos interesses privados.

Ler mais


Listas do Partido em dois concelhos:
Loures e Aveiro

 

AbtencaoLegislativas

AbtencaoAutarquicas

Progressivamente, os operários e a juventude têm-se desiludido com a possibilidade de alterar seja o que for por via eleitoral. A sequência dos números da abstenção nas eleições legislativas dos últimos anos...

Ler mais


As Eleições Autárquicas de 2021

Não constitui objectivo político do nosso Partido a participação nas próximas eleições autárquicas

No próximo dia 2 de Agosto termina o prazo para apresentação de candidaturas aos órgãos autárquicos, eleições que ocorrerão no dia 26 de Setembro do corrente ano, visando 308 municípios e 3091 freguesias.

Ler mais


Movimento Operário e Sindical

POR UMA DIRECÇÃO COMUNISTA NA LUTA DOS TRABALHADORES DA GROUNDFORCE!

GroundForceGreveOs empresários públicos e privados exigem mais-valia no negócio da compra da força de trabalho dos operadores aeroportuários impondo ressarcirem-se do investimento com o dinheiro publicamente sancionado pelo Estado burguês.

Pelo seu lado os trabalhadores aeroportuários lutam pela segurança de vida e pelo pão para a boca em troca da sua prestação profissional.

A tão falada quanto equivocada mais-valia nada mais é do que horas de trabalho não pagas pelo salário recebido pelo trabalhador em troca da sua força de trabalho alienada ao empresário.

Ler mais


Volkswagen Autoeuropa - Palmela

UM MUNDO NOVO NÓS OPOMOS AO MUNDO PARASITÁRIO!

AutoeuropaO tempo do escravo é o tempo do senhor: deve totalmente vida e morte o escravo ao senhor.

A revolução burguesa abole a propriedade privada dos produtos do trabalho pessoal e transforma a força de trabalho em mercadoria que o detentor põe à vendapara a compra do que precisa para sobreviver.

Face a face são aparentemente ambos livres, vendedor e comprador da força de trabalho – não fora este ter o monopólio dos meios de produção e aquele destituído de outros bens transaccionáveis para além da sua força de trabalho!

Ler mais


IBERODYE - Vila do Conde

52 TRABALHADORES ATIRADOS PARA O DESEMPREGO"ESPERO QUE O MINISTÉRIO PÚBLICO INVESTIGUE"

IberodyeVistaA fábrica situada em Macieira da Maia (Vila do Conde) já tinha despedido metade dos trabalhadores em Janeiro. Os outros, que têm dois meses de salários em atraso, tiveram o mesmo destino em Abril.

Ler mais


 Eurest

Portugal – uma terra de oportunidades para os oportunistas

A Compass é a dona inglesa da Eurest, empresa que explora o trabalho humano pela via do fornecimento de serviços de cantina, refeitório, bar, cafetaria em áreas de serviço, empresas privadas e serviços do Estado.

Ler mais


LASA – Guimarães

Trabalhar na terça de Carnaval?!! Porquê?

Ler


Como se Faz a Transição Energética em Tempos de Pandemia e Confinamento

Ler


A Luta dos Mineiros da Panasqueira

Ler


 TAP: uma “reestruturação” sem surpresas!

Ler


Luta – Unidade – Vitória

Contexto económico, político e social

 Ler

O fascismo do PS de Costa não é de hoje. O camarada Arnaldo Matos já o havia denunciado mal os primeiros traços do mesmo se manifestaram da pior maneira, no governo anterior, como a sequência de tuítes, que agora republicamos no Luta Popular, demonstra.


O PS no Poder é a Reacção no Poder!

É preciso dizê-lo sem medo, com a coragem necessária e com todas as letras: o Primeiro-Ministro António Costa e o governo do PS a que preside são um coio de reaccionários fascistas, da mesma natureza de Salazar e de Caetano.

Tal como Salazar e Caetano nos seus tempos, Costa e o seu governo, enviaram na última quinta-feira, e lá a mantiveram na sexta-feira e hoje sábado, um corpo da Polícia de Choque, para pôr termo a uma greve dos estivadores precários do Porto de Setúbal.

Ler mais

A NOSSA ESTRATÉGIA É O MARXISMO
Nota Introdutória
A brochura que agora publicamos, dois anos após o desaparecimento físico do camarada Arnaldo Matos, corresponde à sua intervenção proferida durante a comemoração do 1.º de Maio Vermelho de 2018 e é a primeira de um conjunto de publicações, que constituem os Cadernos Arnaldo Matos, com os quais pretendemos divulgar e colocar à disposição de todos os importantes estudos e contributos do camarada na divulgação e actualidade do marxismo, que passa, desde logo, pela urgência do estudo, da reflexão e compreensão da natureza de classe das revoluções russa de Outubro de 1917 e chinesa de 1949, já claramente, por ele, exposta nas Teses da Urgeiriça, em 2016. 

CapaCadernoN1

Divulgação das intervenções do Camarada Arnaldo Matos

É cada vez mais premente  a leitura, estudo e discussão das intervenções e dos textos legados pelo camarada Arnaldo Matos. Como o camarada refere, é preciso voltar a estudar Marx e  pôr tudo em causa; é preciso encontrar nos erros cometidos as  explicações dos falhanços das revoluções proletárias.

Ler mais

Capa2ParteAMatos1Maio2018


A Luta Contra o Liquidacionismo e a Salvaguarda do Órgão Central

Nos últimos dias, sobretudo após a formação do Comité Distrital de Lisboa, o Partido, a sua direcção e o Órgão Central, o Luta Popular online, têm sido alvo do mais vil e traiçoeiro ataque, em que o oportunista Lopes tem sido o rosto, mas não certamente o cérebro, apelando à acção de sucessivos golpes ao atropelo dos Estatutos e dos princípios organizativos do Partido. A constituição do Comité Distrital de Lisboa foi claramente um grande golpe para os liquidacionistas e, tal como a convocação do Congresso, levou ao desespero e actuação descabelada, sem norte, dos que sabem que não terão sucesso no Congresso, pelo que, em vez de estarem a preparar o Congresso e os relatórios a apresentar, tudo fazem para impedir a sua realização. Esse é o seu verdadeiro receio.
Trabalhar pela unidade é o critério fundamental para distinguir os que verdadeiramente querem construir e reforçar o Partido Comunista Operário.
No momento em que se aproximam grandes combates, unir e organizar o Partido é vital!Preparar o Partido para esses combates é o que todos deveriam estar a fazer. Tudo o que conduza à divisão, tudo o que seja fomentar guerras baseadas em confrontos pessoais, em vaidades pessoais, em frases esquerdistas com o recurso às redes sociais, mais não fazem do que minar e destruir o Partido. Não há ninguém, por mais ignorante que seja, que não conheça este princípio. E é essa a responsabilidade que lhes cabe e que vão ter de assumir no futuro.
Em 2015, o Comité Central da altura decidiu substituir o Secretário-Geral Conceição Franco pela arara bem-falante Garcia, com boa presença nos órgãos de comunicação. Todos concordaram. Nenhum se opôs, nem os que ainda cá estão! E ainda não se lhes ouviu uma autocrítica a esse respeito! O critério foi, pois, o de falar e apresentar-se bem! A política era um aspecto secundário. Foi um golpe à revelia dos Estatutos e da linha política do Partido. Contudo, não fosse a intervenção e denúncia do Camarada Arnaldo Matos, o arara era agora o secretário-geral do Partido, com todos a baterem palmas. Talvez alguns ainda continuem a pensar assim. Não sabemos, nesse caso, onde fica o apoio ao camarada Arnaldo Matos e à linha por si defendida e que em palavras muitos diziam e dizem apoiar. É sobre estes métodos e a ausência de vigilância revolucionária que todos, mas todos, devemos reflectir e aprender. O I Congresso Extraordinário do Partido foi marcado pelo Camarada para os dias 30 de Abril e 1 de Maio de 2016. Vai fazer agora quatro anos!

Ler mais

 

A Luta dos Marxistas Portugueses

Pelo Partido Comunista do Proletariado

Resposta de Arnaldo Matos

Ao comentário de Carlos Correia

O camarada Carlos Correia é um antigo e muito empenhado militante do nosso Partido, que todavia se afastou da sua dedicada actividade de membro da redacção do jornal Luta Popular Online, por via de um desentendimento nunca esclarecido, aparentemente com a minha pessoa. É com muito agrado e verdadeiro afecto que o vejo regressar hoje ao órgão central do Partido com o seu muito interessante comentário ao meu artigo “A Derrota do Grupelho Liquidacionista Anti-partido”, saído anteontem no nosso – dele, meu e de todos os operários portugueses – Luta Popular Online. E lembro-me de vê-lo participar muito entusiasticamente, com intervenções e perguntas inteligentes, no colóquio sobre a Revolução de Outubro, realizado no Salão dos Bombeiros da Parede, no dia 11 de Fevereiro passado, onde fui o orador principal.

No seu comentário agora publicado, Carlos Correia começa por ironizar com a ideia da dedicação da vida ao partido, avançando que nunca pôde dedicar-lhe mais do que uma parte do dia… Ora, dedicar a vida ao Partido pode consistir nisso mesmo: dedicar todos os dias ao partido uma parte do nosso dia…

Convém que eu o esclareça que nunca defendi que os comunistas incorram no dever de dedicar a vida ao Partido, pois acho que os comunistas devem dedicar a vida à revolução proletária e ao comunismo e não exactamente ao Partido, pois poderá até acontecer que se encontrem frequentemente em minoria e, apesar disso, terem todavia razão, ainda que minoritários.

Mesmo no interior de um partido comunista operário há classes, pontos de vista de classe e luta de classes, o que torna muito discutível a questão de saber como se dedica – - ou não – a vida ao partido. É que a consciência política do proletariado revolucionário pode nem sempre residir ou ser dominante no partido comunista operário ou nas organizações assim chamadas.

Ler Mais...

 

# Pedro Leite Pacheco - 08.04.2017
Camarada Arnaldo Matos
Agradeço muito o e-mail com a resposta ao comentário de Carlos Correia.
Escrevi esta tarde:
Não há retorno
Para cada instante
E na ficção
Reside antes e depois.
Tal como a moeda a palavra também perpassa pelas condições sociais de produção que modelam palavra e moeda.
Analisá-la(s) ou não a(s) analisar admite rectificação mas nunca retorno.
Bem-haja pela análise.
Obrigado,


 


Está em... Home REGIONAIS MADEIRA 2019 CONTRA AS ILUSÕES ELEITORALISTAS PELO RESGATE DA AUTONOMIA E PELO BEM ESTAR DO POVO DA REGIÃO