Partido

A Derrota do Grupelho Liquidacionista Anti-partido

O grupelho social-fascista anti-partido de Garcia Pereira desistiu de escrever para o site provocatório as “Mentiras do Arnaldo”

Arnaldo Matos

A realização do I Congresso Regional do Partido nos Açores, no próximo dia 1º de Maio, culminará a primeira fase da organização do Partido naquele arquipélago atlântico, sob direcção da Brigada do Comité Central, comandada pela camarada Margarida.

Este trabalho começou quase há um ano, em Julho de 2016, com a constituição de listas para a assembleia legislativa regional em sete das nove ilhas da Região Autónoma dos Açores.

O grupelho liquidacionista anti-partido dirigido por Luís da Conceição Franco e por Garcia Pereira, em trinta anos nunca apresentou listas do PCTP/MRPP às assembleias legislativas regionais, abandonando assim o povo dos Açores ao imperialismo norte-americano, a quem deixaram que fossem cedidas, na sua contratação actual, a base aérea das Lajes e o porto naval da Praia da Vitória.

Quando o nosso Partido apresentou listas à assembleia legislativa dos Açores por sete das nove ilhas do arquipélago, o grupelho anti-partido de Garcia Pereira, Conceição Franco e Domingos Bulhão, como traidores que sempre foram, escreveram aos directores dos órgãos de comunicação social escrita e falada dos Açores – jornais diários, semanários, televisivos e radiofónicos – a pedir-lhes que não apoiassem as listas do PCTP/MRPP, e que as denunciassem como listas do Partido de Arnaldo Matos.

É verdade que o nosso Partido não granjeou uma grande votação naquelas eleições regionais legislativas, mas o apoio da população foi muito grande e o PCTP/MRPP pôde constituir células e comités do Partido em quase todas as ilhas do arquipélago.

Agora faremos, no próximo 1º de maio, o I Congresso Regional do Partido, que irá saldar-se inevitavelmente por uma grande e importante vitória.

A realização do I Congresso Regional do Partido nos Açores porá termo à primeira etapa da refundação do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP) em todo o país, combate este que se iniciou no dia 5 de Outubro de 2015, quando, no dia imediato ao daquelas supracitadas eleições de 4 de Outubro de 2015, o camarada Espártaco - pseudónimo muito conhecido do autor destas linhas junto dos operários e comunistas portugueses – destituiu, com um simples artigo de jornal publicado no Luta Popular Online, e escorraçou das fileiras do Partido o secretário-geral Luís Conceição Franco e os membros do comité permanente Garcia Pereira, Domingos Bulhão e Carlos Paisana.

Só não foi destituído o operário Artur Antunes, também membro do comité permanente do Comité Central e trabalhador da empresa EMEF (Empresa de Manutenção de Equipamentos Ferroviários, S.A.) no Barreiro.

Os elementos destituídos, suspensos e expulsos, por mero escrito do signatário, fundador do Partido, tentaram mediante uma manobra imediatamente rejeitada, apresentar uma autocrítica, no fito de permanecerem no interior do Partido e continuarem a liquidá-lo.

Essa manobra foi totalmente rejeitada, as auto-críticas recusadas e o golpe desmascarado sem apelo nem agravo. E postos na rua!

Ao mesmo tempo que apresentavam ao comité central do Partido as suas destemperadas autocríticas oportunistas, os familiares desses trânsfugas, que aliás nunca foram militantes do Partido, como a filha e a actual mulher de Garcia Pereira e alguns familiares de Domingos Bulhão, abriram espaços nas redes sociais para lançarem contra o Partido insultos e impropérios enlouquecidos.

Com Garcia Pereira e Domingos Bulhão criaram um sítio na web, intitulado As Mentiras do Arnaldo, onde diariamente punham na minha boca ideias que eu nunca tive nem podia ter, não proferi nem nunca proferirei, isto porque a ignorância política e científica de Garcia Pereira e seus capangas não era capaz de discutir ideias sérias no campo filosófico, económico, político, social e cultural.

Andaram quase dois anos a insultar-me, da forma mais miserável e cobarde, sem nunca assinarem com o seu próprio nome o chorrilho de mentiras e dejectos cuja patente me atribuíram.

Ao invés, limitei-me a denunciar a ignorância chapada de Garcia Pereira e seus capangas, anti-marxistas e anti-comunistas primários, sujeitos que nunca leram um livro de Marx, de Engels, de Lenine ou de Mao Tse Tung, para já não dizer que desconhecem toda a filosofia e ciência, desde que ela nasceram na Grécia há mais de dois mil e quinhentos anos. Garcia Pereira é o mais inculto e ignorante licenciado português.

E expliquei que essa canalha apenas queria destruir o partido comunista marxista proletário, onde se filiava o nosso Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses, o PCTP/MRPP.

Os diversos sítios, blogues, facebooks e jornalecos editados na Internete por essa canalha analfabeta e ignorante, e em especial o sítio chamado As Mentiras do Arnaldo, mas que melhor se entenderia como as mentiras absurdas e ignorância do próprio Garcia Pereira e postos na boca de outros seus capangas, cobriram-se de descrédito e de vergonha – se a tivessem – e acabaram igualmente como começaram: sem leitores nem defensores.

O grupelho anti-partido de Garcia Pereira, Domingos Bulhão e outros acaba de publicar no sítio As mentiras do Garcia (que eles tergiversam em As Mentiras do Arnaldo) uma Nota da Redação, como de costume não assinada por ninguém, a informar que, no futuro não se justifica a edição de qualquer texto nas mentiras do Arnaldo, porque isso seria o mesmo que dar pérolas a porcos, acabando assim por considerarem porcos os leitores da prosa não assinada de Garcia Pereira e associados.

Sempre denunciámos no Luta Popular Online que o objectivo do grupelho de Garcia Pereira e caciques era destruir o partido comunista marxista do proletariado português, e que Garcia, o putedo que o rodeia e seus capangas sempre entenderam que não se justifica de modo algum a existência de um partido do proletariado revolucionário em Portugal.

Pois essa nossa velha denúncia vem agora assumida por Garcia Pereira e seus compinchas reacionários, quando na supracitada nota com a qual a redacção põe termo ao sítio As Mentiras do Arnaldo, acrescentar esta pérola:

“Por isso, estando em estudo outro formato de intervenção política, cívica, humanista e de cidadania, que a seu tempo será dado a conhecer a todos, não se justificava a edição de qualquer texto nas Mentiras do Arnaldo.

Como veêm, o grupelho anti-partido de Garcia Pereira era e é um grupelho de anti-comunistas e anti-marxistas primários; que a única coisa que tinham em vista era acabar com o PCTP/MRPP, porque, para essa camarilha contra-revolucionária, não se justifica um partido proletário marxista comunista, um partido próprio do proletariado revolucionário, mas sim “outro formato de intervenção política, cívica, humanista e de cidadania”.

Como veêm, os anti-comunista e anti-marxistas primários do grupelho anti-partido de Garcia Pereira piscam despudoradamente o olho ao chamado Bloco de Esquerda, o partido da pequena burguesia urbana, capaz de carregar alguns bons clientes para o escritório de Garcia Pereira e associados.

Está aí feita por eles, grupelho anti-partido de Garcia Pereira e associados, a prova de que o ódio dessa canalha não é verdadeiramente contra o autor destas linhas, mas contra a classe operária portuguesa, contra o proletariado português revolucionário, e que o que pretende é unicamente um partido anti-comunista, um partido anti-marxista, um partido pequeno-burguês reaccionário.

Com a sua Nota da Redacção, que o leitor poderá ler na íntegra no interior do Luta Popular Online, Garcia Pereira, Domingos Bulhão, Laires, Luís Conceição Franco, o putedo de Odivelas, reconhecem e confessam qual era o seu verdadeiro objectivo oculto dentro do nosso Partido: liquidá-lo; liquidar a teoria do marxismo, a ideologia do comunismo; liquidar o movimento revolucionário do proletariado.

E no lugar deles, pôr de pé outro formato de instrumentação política, de intervenção cívica, de organização humanista, de cidadania, como o instrumento do Fernando Rosas, de Catarina Martins, de Louçã, etc.

E o novo formato de partido – cívico, humanista, de cidadania – já começou por escrever nas paredes de Lisboa que as sedes do PCTP/MRPP são as sedes do Daesh em Portugal e que Arnaldo Matos é o seu representante máximo, o que, nas circunstâncias da legislação criminal actual representa um convite é prisão do autor destas linhas e à proibição da imprensa do Partido.

Por isso, esses cobardes, ocultos na noite e no anonimato, andam a atacar o Partido de onde foram expulsos por um simples editorial de Espártaco, conclamando a polícia e as secretas para prenderem os camaradas do PCTP/MRPP que usam lutar contra o imperialismo no interior do nosso próprio país.

Eu bem vos tinha dito, no meu escrito de 5 de Outubro de 2015, na primeira página do Luta Popular Online, assinado por mim próprio quando, de um só tiro, abati Garcia Pereira, Conceição Franco, Domingos Bulhão, a cabeça cornupeta do grupelho anti-partido sem classe nem carácter, anti-partido, anti-comunista, anti-marxista primários.

Seria bom que todos aqueles que na altura se puseram ao lado do grupelho de Garcia Pereira e associados contra o seu Partido de sempre – como Rui Mateus, Nelson e outros – venham agora dizer o que realmente pensam do grupelho anti-partido de Garcia Pereira, agora que o próprio grupelho proclamou e confirmou o que realmente pretendia: acabar com o partido comunista marxista proletário, o PCTP/MRPP.

Negaram-no a pés juntos na altura! Pois bem: são eles que o confessam agora!

Proletários de todos os Países. Uni-vos!

Morte aos Traidores do grupelho anti-partido de Garcia Pereira e associados!

04Abr17

 

 

 

 

 


Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Partido A Derrota do Grupelho Liquidacionista Anti-partido