Partido

Garcia Pereira, o Chulo…

Na luta pela liquidação do grupelho liquidacionista anti-partido de Garcia Pereira, deixei bem claro que Garcia era um chulo anticomunista primário, que vivia e vive à custa do Partido, dos operários e do trabalho dos advogados, sócios e associados, da Sociedade de advogados Garcia Pereira.

A coisa funcionava e funciona assim: o chulo Garcia Pereira fazia-se passar pelo dirigente máximo do Partido Comunista dos Trabalhadores Portugueses (PCTP/MRPP), atraindo os operários e outros trabalhadores para o seu escritório de advogados. Vinte por cento dos honorários cobrados a cada operário ou a cada trabalhador iam inteirinhos e directamente para o bolso de Garcia Pereira, mesmo que este nada fizesse no respectivo processo. Se trabalhasse no processo, os honorários iriam a 100% para o bolso de Garcia…

Os outros advogados, sócios e associados, dividiam entre si o que sobrasse dos honorários, descontados da parte logo entregue a Garcia.

O Dr. Francisco Nicolau e o Dr. Paulo Graça Lobo, fundadores e dois dos melhores advogados da Sociedade de Advogados Garcia Pereira Associados, já abandonaram a sociedade, exigindo a devolução das suas quotas e parte do capital social a que têm direito, mas Garcia Pereira e a histérica filha de Garcia opõem-se à devolução justa da parte do capital a que os referidos sócios têm direito.

Paulo Graça Lobo, um homem de esquerda, sério e combativo, abandonou Garcia Pereira e foi exercer a profissão para Cabo Verde, farto de aturar as golpadas do patrão Garcia Pereira.

Paulo Graça Lobo e Francisco Nicolau tem sido autênticos escravos de Garcia Pereira e da histérica Rita Garcia Pereira, os quais se propõem indemnizar Paulo Graça Lobo e Francisco Nicolau em 10 000 euros, por uma quota que vale mais de 180 000 euros…

O caso segue para o Tribunal, mas no meio forense é voz corrente que a sociedade de advogados de Garcia Pereira deu o berro. Pudera, é uma sociedade que tem sete empregados para cinco advogados!... Entretanto, a divida da sociedade aos bancos, contraída para comprar os dois andares da Avenida Miguel Bombarda, n.º61-5º, em Lisboa, onde está instalada a Sociedade de Advogados Garcia Pereira e Associados passa por uma fase crítica. A opinião corrente é que a sociedade está em vias de implosão. A expulsão de Garcia Pereira do PCTP/MRPP liquidou a sociedade de advogados do quinto andar do nº 61 da Avenida Miguel Bombarda, em Lisboa… Oh, se liquidou!

24.01.2016

Vladimir U.


 

 

 

 


Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Partido Garcia Pereira, o Chulo…