PAÍS

Bairro da Torre, Camarate: insalubridade e morte!

Situado na freguesia de Camarate, no concelho de Loures, o Bairro da Torre ergueu-se em terrenos onde, no Século XVI, proliferavam quintas vinícolas da nobreza lisboeta, onde se produzia a casta camarate. Até meados do Século XX cumpria a função, juntamente com a restante “região saloia”, de abastecer a cidade de Lisboa.

QuintaDaTorreSeguiu-se o desenvolvimento industrial e a subsquente terceirização que transformaram as freguesias rurais do Norte de Lisboa em autênticos dormitórios da capital, sobretudo para a classe operária da sua Cintura Industrial e para trabalhadores de serviços não qualificados e mal pagos.

O movimento de ocupação de terras e subsquente construção de barracas tem inicío em finais de 1960. São sobretudo migrantes oriundos do norte do país e cidadãos que chegam ao nosso país após os processos de independência que decorreram da luta anti-colonial e pela independência dos países africanos – ex-colónias de Portugal – que fazem com que este tipo de bairros cresça exponencialmente e sem nenhum plano de urbanização.

Nascido em terrenos rurais que circundavam o futuro aeroporto de Lisboa – ainda em construção – ergue-se o Bairro da Torre, e muitos outros bairros de barracas. Os operários viram na auto-construcção uma solução para os seus problemas de habitação. Apesar de terem progressivamente melhorado, consoante as disponibilidades financeiras das famílias que neles habitavam, essas melhorias nunca foram de molde a conferir segurança, salubridade, dignidade a esses operários e trabalhadores e suas famílias.

Em 2011, ao abrigo do Programa de Realojamento (PER), o bairro começou a ser demolido. Porém, aí continuaram a viver, desde então, 23 famílias, em condições extremamente precárias. E é assim que, em pleno Século XXI, habitam seres humanos no Bairro da Torre, em Camarate, um dos mais degradados bairros do concelho de Loures, no Distrito de Lisboa.

Num terreno que foi ocupado na década de 1970 por cerca de 200 a 250 pessoas, residem actualmente neste bairro cerca de 18 famílias, sem acesso a luz eléctrica, saneamento básico e água. Os moradores das barracas são portugueses, muitos deles de origem africana e cigana, e brancos. A câmara liderada por Bernardino Soares nada fez pelos pobres que ficaram sem casa. Uns gatunos, estes social-fascistas do PCP.

Não é pois de surpreender que o concelho de Loures seja o dos que, a nível nacional, mais aumento de casos de infecção por COVID-19 apresente. Lares para idosos sem quaisquer apoios e sem quaisquer planos de contingência, a par de zonas degradadas, insalubres e miseráveis de que o Bairro da Torre não é caso único, só poderiam ter como resultado um quadro desses.

Em Julho de 2018, o camarada Arnaldo Matos, num tuíte vigoroso, relatando um incêndio que ali havia ocorrido e levara ao desalojamento de 14 cidadãos, “...mulheres e crianças sem lugar para dormir e numa autarquia (município de Loures) dirigida por Bernardino Soares, do PCP...”, denunciava que continuavam a “...haver bairros de barracas em Lisboa, capital do País...”.

Prosseguindo a denúncia, o camarada Arnaldo Matos referiu que “...o incêndio teve origem no facto de que a companhia de electricidade, a EDP dos chineses, não ligou o fornecimento da luz eléctrica às barracas em condições de segurança. Cuidados da EDP só para crápulas como Pinho, Luís Amado, Mexia e Eduardo Catroga.”

A situação de degradação actual chegou a um ponto que os moradores deste precário Bairro da Torre, ainda iludidos com a “generosidade” do poder burguês instalado, quer na Câmara Municipal de Loures, quer na presidência da República, quer no governo, decidiram escrever uma carta aberta a todas estas entidades a pedir uma intervenção urgente que minimizasse a sua situação de vulnarabilidade.

A resposta foi, e será sempre, a que se antecipa. O total desprezo por parte da vereação social-fascista de Bernardino Soares para com as condições de miséria a que aqueles cidadãos estão sujeitos. Não satisfeito, Bernardino Soares tem o desplante de tentar manipular a “opinião pública” do concelho de Loures, ao afirmar que ele e a sua equipa bem que gostariam de resolver a situação, mas que se vê confrontado com a recusa das famílias das propostas de realojamento que lhe têm sido feitas pela autarquia que dirige.

Na carta, subscrita pela Associação de Moradores do Bairro da Torre e assinada por 313 moradores, para além da denúncia das condições vulneráveis a que os moradores estão sujeitos, refere-se o contexto do surto de COVID-19 que encontra um bairro fragilizado, potencialmente alvo de uma pandemia como a do coronavirus e exige-se o fornecimento de água, energia eléctrica, saneamento e condições de habitabilidade.

É preciso relembrar que o incêndio ocorrido em Julho de 2018 teve origem num curto-circuito, muito provavelmente provocado pelas “baixadas” de electricidade que os moradores fizeram desde 2016, precisamente para, face aos diminutos ou inexistentes rendimentos, fazerem face às suas necessidades de energia eléctrica.

Depois do supracitado incêncio os cerca de 35 habitantes, ou seja, 13 famílias, sobrevivem em condições ainda mais precárias. E, se não aceitam abandonar o bairro é porque continuam a alimentar o desejo de que aquele seja transformado num bairro novo, sua morada permanente.

Apesar das “baixadas” ditas ilegais que proporcionavam luz ao bairro, os moradores pagavam a energia eléctrica que utilizavam à EDP. Deixaram de pagar para que o seu fornecimento fosse regularizado e acompanhado de medidas de segurança que prevenissem novos incêndios.

A EDP, apesar de haver uma resolução aprovada por todos os partidos do “arco parlamentar” em Junho de 2017, a recomendar ao governo Costa/Centeno, com o apoio das muletas do PCP/BE/Verdes, “a prestação do serviço público de electricidade aos habitantes dos bairros e núcleos de habitações precárias”, decidiu, pura e simplesmente, cortar a energia, alegando que os moradores tinham deixado de proceder ao pagamento da mesma!

A maioria das casas continua às escuras, Os seus habitantes, com rendimentos muito baixos ou inexistentes, são confrontados com a opção entre comprar alimentos – diariamente, uma vez que não podem ligar frigoríficos à corrente eléctrica que não existe – e pagar transportes para se deslocar para os seus locais de trabalho ou pagarem a factura da água, da electricidade ou de uma renda de casa.

Para além de vergonhosa é criminosa a posição de Bernardino Soares do PCP e da autarquia a que preside. Com uma gestão absolutamente caótica, prefere fazer jorrar verbas para festivais de natureza popular duvidosa ou para encher os bolsos de amigos e correligionários, do que investir no bem estar, na segurança e na dignidade destes moradores.

É manifesta a sua falta de empatia para com os moradores do Bairro da Torre que coabitam com ratazanas, todo o tipo de doenças – incluindo infecciosas –, fome, violência policial e racista – sobretudo sobre a raça dos pobres. E, agora, exponenciado por estas condições de salubridade e habitação absolutamente degradantes, mais em risco de serem infectados pelo COVID-19.

Uma população maioritáriamente operária e trabalhadora – grande parte agora no desemprego, na precariedade, recorrendo aos biscates ou sendo obrigados ao lay off que lhes rouba cerca de 33% do já magro rendimento – abandonada pelo poder burguês.

Para esta população não há abraços nem selfies de Marcelo Rebelo de Sousa e a única preocupação do Ministério da Saúde e da Direcção-Geral da Saúde (DGS), é a de impor o confinamento, nem que seja recorrendo a uma musculada força policial.

Planos de desinfecção do Bairro, programas de testagem da população, distribuição de máscaras e hidro-gel desinfectante, ou de profilaxia que assegure a contenção da pandemia no bairro, nem pensar!

Os habitantes do Bairro da Torre foram abandonados à sua sorte. Quer pelo governo de António Costa, quer pelo presidente da Câmara Municipal de Loures, o social-fascista e cacique do PCP, Bernardino Soares, que preside a um dos concelhos de Lisboa e Vale do Tejo, que maior crescimento de infectados regista e número de mortos entre idosos que estão ao abandono em lares daquele concelho.

Se tem sido esta a actuação de Bernardino Soares, em matéria de crimes contra a população dos bairros pobres e dos munícipes de Loures, não ficarão atrás Graça Freitas, directora da DGS, e a ministra da Saúde, Marta Temido. A sua criminosa inépcia está a levar a um autêntico genocídio sanitário entre os idosos dos lares que existem naquele concelho e a expansão do número de casos de infecção por COVID-19, sobretudo em bairros degradados como é o Bairro da Quinta da Torre, devido a uma gestão caótica, quer dos recursos financeiros a atribuir ao sector da saúde, quer quanto à ausência de planeamento da prevenção e do ataque adequado à pandemia.

Os moradores do Bairro da Torre não devem perder tempo com quem tem constituido a razão do seu problema. A solução só pode ser imposta com a solidariedade de moradores de outros bairros degradados do concelho e com os munícipes de Loures que, tal como eles próprios, são explorados por este governo e por esta autarquia.

05Jun2020

Comité Distrital de Lisboa

pctpmrpp

Partilhar
Está em... Home País LOCAL Bairro da Torre, Camarate: insalubridade e morte!