INTERNACIONAL

Só faltava mais esta: que sejam os auto-proclamados marxistas-leninistas-maoista do Partido Comunista de França (m-l-m) a defender o imperialismo francês e a tentar fazer passar como luta contra os islamistas a agressão e ocupação dos povos e nações oprimidas da África Saariana e Sub-saariana.

Quanto à peregrina ideia de que o Catar teria contradições importantes com o moribundo imperialismo francês, é conversa de opereta, pois o Catar tem suportado a bancarrota francesa desde Sarkozi até Hollande. A maior base militar do imperialismo americano do Golfo está hoje no Catar, e é utilizada pelos aviões franceses que estão a bombardear o povo sírio e o Estado Islâmico, quando toda a gente sabe que o Catar financia com dinheiro e com armas, conjuntamente com a Arábia Saudita, o mesmo aludido Estado Islâmico.

E como não poderia deixar de ser para oportunistas, chauvinistas e lacaios do imperialismo, como o são os pretensos marxistas-leninistas-maoistas da Bélgica e da França, a Declaração Conjunta termina com a prosápia das recomendações da Gália e da Flandres aos proletários, povos e nações do mundo:

  • • “Eis porque os comunistas apelam às revoluções democráticas nos países semi-coloniais semi-feudais e às revoluções socialistas nos países
        imperialistas”;
  • • “Os islamistas são uma expressão do feudalismo e, por isso, as suas acções carecem de perpectivas, são mortíferas e niilistas”;
  • • “O imperialismo deve ser derrubado nos países imperialistas, da mesma maneira que o feudalismo e o capitalismo burocrático devem ser
       derrubados nos países oprimidos”;
  • • “Guerra popular até ao comunismo!”.

Estas quatro conclusões apelativas da Declaração Conjunta é que realmente não passam de um projecto de uma ideologia sintetizada, para usar uma expressão dos próprios m-l-m franceses e belgas, um projecto de ideologia que intenta misturar os interesses políticos fundamentais da revolução proletária com os interesses essenciais do imperialismo e da guerra imperialista, os interesses dos agressores com os interesses dos povos e nações oprimidos, agredidos e ocupados, os interesses do capital com o interesses do trabalho, em suma, os interesses da revolução com os interesses da contra-revolução.

A questão, porém, é esta: quando os imperialistas norte-americanos, franceses e ingleses, cada um deles por si ou todos em conjunto, nomeadamente através de alianças militares como o é a Nato, invadem e ocupam pela força das armas os países e nações árabes e muçulmanas da África e do Médio Oriente, ricos em petróleo, gás natural e em outras reservas estratégicas, qual é a atitude política que devem assumir os operários, povos e nações agredidos face aos agressores imperialistas e qual é a conduta política que devem adoptar o proletariado de todos os países, incluindo o proletariado dos países imperialistas agressores, e os povos e nações oprimidas do mundo? Devem ou não os comunistas de todos os países, incluindo os dos países imperialistas agressores, levantar-se como um só homem contra os agressores imperialistas, em defesa dos povos e nações agredidos, qualquer que seja o regime político reinante nos países e nações vítimas da opressão, ocupação e rapina imperialista?

É evidente que os comunistas e proletários de todo o mundo, incluindo os comunistas e proletários dos países imperialistas agressores, devem erguer-se em defesa dos povos e nações oprimidas do mundo inteiro. Mas a reaccionária Declaração Conjunta é um exercício de estilo para tentar incutir a ideia de que, nos países imperialistas agressores, o proletariado e o povo não devem lutar contra os interesses imperialistas da sua burguesia.

Para os patifes reaccionários da Declaração Conjunta, nos países imperialistas os comunistas e o proletariado apelam – não fazem, apenas apelam – à revolução socialista, e enquanto não fizerem a revolução socialista, para a realização da qual nem sequer apelam, nada farão para impedir que a sua burguesia imperialista deixe de agredir, ocupar e rapinar os proletários, povos e nações oprimidas do mundo inteiro… Haverá maiores lacaios do imperialismo do que os traidores m-l-m da França e da Bélgica? Não, não há com toda a certeza!

O que é todavia mais escandaloso é que os lacaios franco-belgas do imperialismo nem sequer reconhecem aos povos e nações agredidos e ocupados pelo imperialismo o direito a lutarem contra a agressão e a ocupação dos seus territórios; não, esses povos só têm o direito e o dever de fazerem as suas revoluções democráticas internas, mas sempre sem se rebelarem, de armas na mão, contra o imperialismo francês. E muito menos contra Paris.

Para os contra-revolucionários do PCF (m-l-m) e C (m-l-m) da Bélgica, lambe-botas do imperialismo francês, belga, americano e inglês, o imperialismo deve ser derrubado nos países imperialistas. Porém, se cidadãos franceses, nascidos em França e já sem possibilidade de dupla nacionalidade, decidem atacar o imperialismo no seu covil de Paris, justamente nos sítios da cidade onde a classe média gasta o dinheiro roubado no Mali, na Nigéria, na Burkina Faso, na Guiné e no Oriente Médio – aqui d’el rei – gritam os falsos m-l-m da cidade, aqui em Paris ninguém toca… Os jiadistas franceses são uma expressão do feudalismo, dizem eles. Não, reles lacaios e falsos marxistas-leninistas-maoistas: os jiadistas franceses são uma expressão da luta dos povos e nações do mundo contra o imperialismo francês. Nada mais. Vós, militantes do PCF (m-l-m) e C (m-l-m) B, é que sois uma expressão do feudalismo, uma expressão ideológica sintetizada dos interesses da burguesia e da classe média do imperialismo francês!

É por aí que quer seguir o Lúcio, velho companheiro de luta, operário emigrante combativo, comunista corajoso e indomável, até ter deixado a fábrica onde foi explorado uma vida? Será que também achas que, nos dias de hoje, como os reaccionários discípulos de Alain Badiou o pensam, nos países imperialistas, é a guerra popular, e não a revolução proletária, que levará ao comunismo?

Levanta-te Lúcio, não te deixes abater!

 

02.02.2016

Arnaldo Matos

Partilhar

Comentários   

 
# Quibian Gaytan 20-05-2016 06:34
Saludos comunistas,
Tengo a bien informarles que, en entrada del blog Luminoso Futuro del 20 de febrero de 2016, hemos publicado bajo el rubro Partido Comunista de los Trabajadores Portugueses: MENSAJE DEL CAMARADA ARNALDO MATOS AL CAMARADA LÚCIO su desenmascaramie nto de los reclamados Marxistas-Lenin istas-Maoístas franceses y belgas. De seguido el enlace: https://drive.google.com/file/d/0Bwo68T7ecF55NzhsRTRCaU9jYkk/view?usp=sharing
 

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Internacional Eu não sou Charlie! Os Marxistas-Leninistas-Maoistas da França e da Bélgica E os Ataques dos Jiadistas Franceses e Belgas a Paris