INTERNACIONAL

Paris a Ferro e Fogo

Deixemo-nos de hipocrisia! Olhemos para o que se passou, sexta-feira, 13 de Novembro, em Paris, de uma maneira objectiva, tal como o devem fazer um comunista ou um proletário consciente, em Portugal, em França ou em qualquer outra parte do mundo, sem se deixar iludir pela monumental campanha de intoxicação mental montada e desencadeada pelo imperialismo e seus lacaios.

Rejeitemos as visões moralistas do caso, onde acabam de cair Eanes e o Papa Francisco. A nossa missão não é condenar nem absolver, mas compreender e agir. Vamos pois aos pontos e ao significado da luta de classes à escala do Mundo. Na era da globalização, já não há guerras mundiais entre nações, ordenadas em eixos beligerantes opostos. Na era da globalização imperialista, toda e cada guerra é mundializável e as que já estão em curso já estão todas mundializadas.

É aliás a mundialização de todas as guerras que porá fim ao imperialismo e criará condições objectivas para a vitória da classe operária, do comunismo e da sociedade sem classes.

Eanes, melhor Presidente da República que tivemos, meu amigo de longa data, com quem andei trinta meses na mesma companhia de caçadores, primeiro em Macau, e depois, no ano de 1964, no norte de Moçambique, quando a Frelimo encetou aí a luta armada de libertação nacional, teve ontem esta infeliz declaração, falando de Castelo Branco: “Tenho que concluir que é necessário atuar coordenada e concertadamente para liquidar de vez o Estado Islâmico”. Mas concluiu mal, como já tinha concluído mal em 1964, quando pensava que era preciso destruir o terrorismo na Guiné, em Angola e em Moçambique, e eu lhe garantia que o que era preciso destruir seria o colonialismo português, ele sim, terrorista e causa única de todo o chamado terrorismo nas nossas colónias. Dez anos mais tarde, em 1974, Eanes já tinha entendido que o colonialismo era a causa de todos os nossos males, incluindo o terrorismo, e, muito coerentemente, ajudou a derrubar, em Abril, a causa de todas as causas.

Eanes volta agora, cinquenta anos depois das nossas conversas moçambicanas, a cometer o mesmo erro, quando confere prioridade ao combate para liquidar o Estado Islâmico, em vez de conferir total e absoluta primazia à luta pelo isolamento e derrubamento do imperialismo.

O imperialismo, ele próprio terrorista, é que é a única causa real do terrorismo no mundo. Enquanto houver imperialismo, haverá violência terrorista, a qual, não sendo a forma própria da violência de classe do proletariado, é todavia a forma típica da violência imperialista e também daqueles povos e nações que, não tendo os meios tecnológicos apropriados para responder às sofisticadas tecnologias de guerra dos imperialistas, só lhes resta o tipo de guerra que exige os meios e as formas mais baratos, mas por vezes também eficazes, para dobrar a espinha aos imperialistas mais poderosos.

O Papa Francisco também condenou ontem, da janela da Praça de São Pedro, o ataque a Paris, mas não se viu Bergoglio, nem nenhum dos seus antecessores, condenar o terrorismo da França no Mali, na Nigéria, no Chade, na Líbia, no Iraque, no Afeganistão ou na Síria.

Onde em Eanes vejo apenas um erro, que há-de levar mais dez anos a corrigir, em Bergoglio vejo a suprema hipocrisia da Santa-Sé na política das coisas do mundo.

Examinemos então os factos ocorridos em Paris na última sexta-feira, os seus objectivos, as suas causas, as suas consequências. Mas examinêmo-los sem hipocrisia, contra aquela baba nojosa com que os jornalistas (com excepção para Jorge Almeida Fernandes) e os órgãos de comunicação social do imperialismo e da reacção mundial tentam afogar a inteligência dos povos do mundo.

Três brigadas, num total de oito jiadistas jovens, vestidos de negro e cara descoberta, armados com espingardas automáticas AK47 (Kalashnikov) de fabrico russo e cintos explosivos, estão em Paris para executar – e executam – um plano de ataque militar, longamente pensado e minuciosamente organizado, a determinados alvos rigorosamente escolhidos com o objectivo de despertar a consciência do povo francês, dos povos da Europa e de todo o mundo para a natureza e significado da política que o governo de François Hollande, continuando aliás a política de Sarkozy, tem posto em prática contra os povos do norte do Mali, da Nigéria, do Chade e, conjuntamente com o imperialismo ianque e demais lacaios, na Líbia, na Síria, no Iraque e no Afeganistão, e que já causou, nos últimos catorze anos e numa guerra que se mundializou desde Marrocos ao Afeganistão, mais de dez milhões de mortos entre os povos árabes e muçulmanos, para controlo do petróleo do Oriente Médio.

Paris a ferro e fogo, porque quem com ferro mata com ferro morre!


Às 21H00 de sexta-feira, as três brigadas e os oito homens estão no seu teatro de operações – na margem direita do Sena, na cidade de Paris, capital da França, coração da Europa – e movimentam-se para os seus objectivos.

Primeiro objectivo: o Estádio de França, já nos arredores da cidade, para os lados de São Dinis, área antiga dos bidonvilles (bairros de lata) dos emigrantes portugueses. A brigada é composta por três jiadistas, que todavia não conseguem entrar no estádio, a abarrotar com 80 000 espectadores, que assistiam ao jogo de futebol que se disputava entre a França e a Alemanha, sob a presidência de François Hollande. Os jiadistas optam por fazer explodir os cintos no exterior do estádio, imolando-se aos três, dois deles perto da entrada do recinto desportivo, às 21H20 e às 21H30, provocando a morte a dois cidadãos de Paris, um dos quais de nacionalidade portuguesa, Manuel Colaço Dias, taxista, de 63 anos, alentejano de Corte do Pinto, no concelho de Mértola. O terceiro jiadista fez-se explodir às 21H53, um pouco mais distante do estádio, na Rua La Corríge, em frente da loja Mc Donalds.

Segundo objectivo: às 21H25, com disparos de Kalashnikov, 14 mortos nas esplanadas do café Le Carrillon e do restaurante Le Petit Cambodge, já dentro da cidade de Paris e a cerca de vinte Kms do Estádio de França. Não se sabe quantos jiadistas participaram na missão do segundo objectivo, nem se conseguiram ou não retirar do local da operação.

Terceiro objectivo: às 21H32, com disparos do mesmo tipo de espingarda automática, cinco mortos e seis feridos graves no terraço da Boa Cerveja e no restaurante Casa Nostra, na rua de La Pompiére, não muito longe do segundo objectivo, e que poderia ter sido atacado pelo mesmo ou pelos mesmos jiadistas que atacaram o objectivo anterior. Sejam ou não os mesmos, não se sabe se conseguiram ou não retirar do local (ou locais) da acção.

Quarto objectivo: às 21H36, na Rua Caronne, n.º 92, com disparos de Kalashnikov, dezanove mortos e catorze feridos no terraço da La Belle Equipe, provocado, não se sabe se por um ou por dois atiradores, mas que muito provavelmente não serão os mesmos (ou o mesmo) que atacaram (ou atacou) o segundo objectivo, pois seria quase impossível fazer em quatro minutos o percurso entre os dois objectivos. Não se sabe se o ou os jiadistas, autores deste tiroteio, lograram ou não retirar do local da operação.

Quinto objectivo: às 21H46, na esplanada da cervejaria Comptoir Voltaire, já perto da Praça da República, um jiadista fez-se explodir, sem todavia provocar vítimas.

Sexto objectivo: às 21H49, na sala de concertos do Bataclan, quatro jiadistas armados de espingardas automáticas AK47 e com cintos explosivos, desencadearam um tiroteio e tomaram reféns, que amontoaram no fosso da orquestra até à meia-noite e quarenta minutos, momento em que a RAID, brigada de elite da polícia de intervenção, entrou na sala de concertos e matou um dos quatro jiadistas que efectuaram o assalto ao sexto objectivo, tendo os outros três feito imediatamente explodir os seus cinturões. O resultado saldou-se por noventa e quatro mortos, contando também os quatro jiadistas, e centenas de feridos.

No total contado pelo procurador-geral de Paris, após a operação do Bataclan, morreram 129 cidadãos parisienses, três dos quais de nacionalidade portuguesa, e ficaram feridas 352 pessoas, noventa e nove das quais em estado grave.

Sabe-se, para já, que um dos jiadistas mortos é cidadão francês, filho de pai argelino e de mãe portuguesa, três outros serão cidadãos franceses residentes na Bélgica, e dos quatro restantes, todos mortos, nada se sabe, por enquanto apenas a circunstância de que a polícia terá encontrado junto do corpo esfacelado de um deles um passaporte ou bilhete de identidade sírio, que entretanto já foi reconhecido como falso.

O Estado Islâmico reivindicou a operação de Paris, assim como já tinha reivindicado a destruição do avião comercial russo, com 224 passageiros a bordo, sobre o Sinai, em 31 de Outubro passado.

A operação que acima deixámos sucintamente descrita é uma grande operação militar, que significou uma importante vitória para as forças do Estado Islâmico e uma clamorosa derrota para o governo de François Hollande, para todas as forças armadas e policiais da França e sobretudo para os respectivos serviços de informação. Hollande, Manuel Valls, Laurent Fabius, todos os dirigentes actuais da França podem berrar tudo o que quiserem contra os jovens jiadistas que, durante três horas, puseram Paris a ferro e fogo, que mesmo assim não conseguirão nunca ocultar a vergonha e a raiva que causaram à França e aos franceses e a perplexidade que suscitaram ao mundo com a derrota que oito jovens infligiram às mais poderosas forças armadas e policiais da Europa continental.
Falemos um pouco das causas e da envergadura desta derrota.

Em primeiro lugar, ver-se-á muito em breve a verdade que François Hollande mais teme revelar: que os oito jiadistas que puseram Paris a ferro e fogo eram todos ou quase todos cidadãos franceses da primeira, da segunda e da terceira gerações de imigrantes em França, ou seja: eram cidadãos franceses de pleno direito. Muçulmanos, é certo, mas franceses.

Com efeito, não haverá ninguém de bom senso que julgue que o Estado Islâmico conseguiria infiltrar oito jiadistas da Síria, do Iraque ou do Magrebe em França, para atacar Paris com a limpeza com que Paris foi atacada.

Quando se souber que os oito jiadistas eram todos ou quase todos cidadãos franceses, o proletariado primeiro, mas depois todo o povo francês, irão perguntar ao oportunista e reaccionário Hollande: Mas o que é isto?

Ao atacar com as suas tropas e aviões as populações muçulmanas do Mali, da Nigéria, do Chade, da Líbia e da Síria, para já não falar do Iraque e do Afeganistão, Hollande está a lançar as sementes de uma guerra civil na própria França.

É que 10% da população francesa actual é de credo muçulmano. Há, assim, oito milhões de muçulmanos em França; considerando que, por razões de vária ordem, incluindo religiosas e de outras índoles ideológicas, a taxa de crescimento da população muçulmana francesa é muito mais alta do que a taxa de crescimento da restante população; dentro de trinta ou quarenta anos, metade da população francesa é de origem e credo muçulmanos; se a política de Hollande e da França continuar a ser a do moribundo imperialismo francês actual, de ataque aos crentes e muçulmanos para usurpar-lhes o seu petróleo, Hollande estará a transformar a França não num barril de petróleo, mas num barril de pólvora.

Entendamo-nos: o que se viu sexta-feira em Paris não é verdadeiramente um ataque do Estado Islâmico, mas o começo de uma guerra civil que ronda as entranhas da França.

Perguntem ao General Eanes, que leu os mesmos livros que eu em estratégia e táctica militares, desde Lao-Tsé e Clausewitz a Schwarzkopf e Collin Powel: quanto custa em homens, material, apoios e dinheiro a operação militar desencadeada sexta-feira em Paris? Quanto custa a logística de uma tal operação?

Em dinheiro, custará à volta de cinquenta milhões de euros, e esse dinheiro poderá ter vindo, todo e exclusivamente, do Estado Islâmico. Mas o resto – e o resto é muito, é quase tudo! – em casas de apoio, em locais de retirada, em meios de locomoção, em armas, em explosivos e em homens, não vieram da Síria, ou do Iraque, ou da Líbia, ou do norte do Mali. Todo o resto estava e está em França; em Paris, nos subúrbios e em toda a França.

Para apoiar a secção dos oito jovens jiadistas que morreram, é preciso uma unidade militar de 50 homens só para a logística. Esses 50 homens são franceses do Hexágono; não vieram da Síria, da Líbia ou do Iraque. As armas e os explosivos, as munições também estavam em França. Nada disso, nem homens de apoio, nem dinheiro, nem armas, nem casas de cobertura vieram nos insufláveis dos refugiados sírios ou magrebinos.


Estava tudo lá, in loco, em Paris e na França.

Claro, Hollande sabe isso tudo, mas oculta-o. A prova de que sabe tudo o que eu aqui coloquei à vossa reflexão, é que, em vez dos 12 dias da lei para prazo normal do estado de emergência, Hollande já decretou três meses. Três meses de estado de sítio em França. E um contingente de 3 000 homens do exército de terra chamado a ocupar Paris imediatamente.

Caras e caros leitores: em França, a guerra civil já começou. Aguardemos os próximos acontecimentos. E não façam batota: não acusem o Estado Islâmico pelo facto de o espectro da guerra civil rondar, cada dia mais sinistro, a França.

Duas decisões tomou Hollande que só irão agravar a situação interna explosiva da França: o estado de emergência alargado – noventa dias –, e os bombardeamentos de pura vingança à cidade de Racca, capital do Estado Islâmico na Síria.

O estado de emergência exorbitantemente extenso vai traduzir-se numa ditadura racista de perseguição a todo o que é muçulmano ou islâmico, significando uma verdadeira mas encapotada declaração de guerra a 10% da população, os tais oito milhões de cidadãos franceses de cultura islâmica, vivendo em condições de habitação e de trabalho suburbanas e sub-humanas, enquanto que para os outros setenta milhões significará o estado de emergência uma permanente violação dos direitos civis e políticos, tornando o regime político francês actual numa sociedade anti-democrática e fascista.

Numa ocasião em que a economia francesa está em grave recessão, o desemprego aumentou e as medidas de austeridade impostas pelo colapso do euro são a linha geral do governo de Manuel Valls, a ditadura, agravada por noventa dias de estado de emergência, não augura nada de bom para a unidade e coesão da sociedade francesa.

Por outro lado, a política vingativa dos bombardeamentos indiscriminados sobre a população do Estado Islâmico ontem iniciada isolará cada vez mais a França do mundo árabe e vai desmascarar definitivamente a hipocrisia da política de Hollande, para o qual é mau tudo o que árabes e muçulmanos façam aos franceses, mas é bom tudo o que de igual façam os franceses aos árabes e muçulmanos. Dois pesos e duas medidas, tal é a moral do imperialismo, mesmo que se trate do social-imperialismo gaulês.

Mais inteligentes do que Hollande e o seu governo foram Zapatero e o governo espanhol, nos atentados perpetrados na estação de Atocha, em Madrid, no dia 11 de Março de 2004: Zapatero compreendeu que os interesses profundos da Espanha não conflituavam verdadeiramente com os interesses substanciais de árabes e islamitas; e, vai daí, não precisou de esgrimir vinganças; limitou-se a retirar as suas tropas do Iraque e do Afeganistão, pois aí elas defendiam interesses do imperialismo ianque, mas não os da pátria espanhola.

Zapatero soube resolver o problema que o terrorismo da Alcaeda suscitou à Espanha, mas François Hollande não só não resolveu como agravou, com os vingativos bombardeamentos agora encetados, o problema posto pelo recente ataque a Paris.

Dediquemos finalmente algumas linhas à análise da pacotilha moralista com que Hollande, o imperialismo, a reacção mundial e a comunicação social contra-revolucionária pintam a operação militar da guerra civil começada sexta-feira em França.

Para o imperialismo e para Hollande, o ataque a Paris foi um ataque cobarde: “um ataque de guerra praticado de forma cobarde”, nas exactas palavras do presidente socialista francês, pronunciadas na televisão do Estado, urbi et orbi. Mas onde reina afinal a cobardia? – numa secção de oito jovens que, de cara destapada, circulam no terreno próprio das maiores forças armadas e policiais da Europa continental e, imolando a sua vida, alcançam os seus objectivos de combate, ou numa aviação de cobardes mercenários que despejam toneladas e toneladas de bombas e de mísseis sobre mulheres, homens, crianças e velhos, escolas e hospitais, sem quaisquer condições de defesa ou de protecção, como o fez e faz a aviação e a marinha francesas na Líbia, no Mali, na Nigéria, no Chade, na Síria, no Iraque e no Afeganistão?

Hollande, Bergoglio, David Cameron, Eanes, Barack Obama choram baba e ranho em lágrimas de crocodilo pelos inocentes que perderam a vida nestas operações, reportando-se às vítimas francesas de um grupo de jiadistas também franceses.

Mas em França, nenhum adulto, homem ou mulher, tem o direito de se proclamar inocente perante actos da natureza daqueles que eclodiram ontem na cidade de Paris.

Politicamente inconscientes, concedo; mas inocentes, não! Todo o adulto francês – – mas também português, americano, afegão, russo, etc. – tem obrigação de conhecer o que andam a fazer por aí o seu Estado, o seu Governo, as suas Forças Armadas, e tem o dever de tomar posição política a favor ou contra o que eles fazem. Se amanhã morrerem no Bataclan, onde nunca sonharam que a guerra pudesse aparecer no palco de repente, não morrem no estado de inocência, morrem no estado político de culpado, porque não se opuseram ou não souberam opor-se, na devida ocasião e em devido tempo, à criminosa política do seu governo imperialista moribundo, aceitando ou reconhecendo-a como sua, na hipócrita convicção de que a guerra movida pelo seu país é sempre lá longe, muito longe, onde só morrem desgraçados oprimidos e explorados, e não os bem vestidos e bem falantes frequentadores do Bataclan.

Azar azar – isso sim, triste mesmo – é quando num estádio de futebol morre um operário ou um trabalhador, que sempre se hajam oposto à política criminosa de Hollande e dos monopólios franceses e que não frequentariam nunca o Bataclan.

Felizmente não rebentaram bombas no Estádio de França. Mas esta circunstância deve ser aproveitada para lembrar, ao fechar destas reflexões, que a violência da classe operária, necessária para derrubar a burguesia imperialista no mundo inteiro e em cada país em concreto, é uma violência revolucionária de classe, que todavia não usa esse tipo de metodologias usadas na sexta-feira em Paris.

A violência do proletariado e dos comunistas é uma violência de classe, que também nasceu em Paris, justamente no período de 72 dias contados entre o dia 18 de Março e o dia 28 de Maio de 1871, violência ensinada à classe operária de todos os países de todos os tempos pela Comuna de Paris.

16.11.2015

Arnaldo Matos




Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Internacional Eu não sou Charlie! Paris a Ferro e Fogo