EDITORIAL

AS DÚVIDAS DOS LIQUIDACIONISTAS

 

Em Março passado, os membros do Departamento Financeiro do Comité Central deram a devida resposta aos liquidacionistas e às pseudo-dúvidas por estes apresentadas, acoitados sob o nome de Luís Costa.

Estes cobardolas fazem-se passar por genuinos militantes e simpatizantes, mas nunca vão às sedes ou às realizações do Partido, apesar de, em cada provocação, afirmarem a pés juntos que irão estar presentes para as colocar.

Não tendo conseguido liquidar o Partido, quer do ponto de vista político, quer do ponto de vista económico, estes cobardolas estão a ficar desorientados com a vitalidade que o Partido está a ter. Assim, tentam-no difamar e ao Camarada Arnaldo Matos.

Desta vez, estão aterrorizados com a decisão do Partido de concorrer aos próximos actos eleitorais. Derrotados com a participação do Partido nas eleições autárquicas, onde foram obtidas participações e resultados históricos em concelhos dados como liquidados, como foram os de Serpa, Odivelas e Amadora, entre outros, estes traidores tentam agora, mas sem sucesso, boicotar as futuras lutas eleitorais apelidando de “loucura” a sua utilização para a divulgação do programa do Partido, coisa que nunca tiveram coragem de fazer, por não ser o seu programa.

Como não conseguem atacar a linha política imprimida pelo Camarada Arnaldo Matos, estes cobardolas recorrem à calunia e ao ataque pessoal. Mas isso não é mau. Ao ser atacado e caluniado pelos oportunistas e inimigos da revolução, o Camarada Arnaldo Matos e a sua linha política saiem mais uma vez reforçados, pois prova que esta linha é diametralmente oposta à deles.

Para esta gentalha, o Partido servia para financiar as suas actividades pessoais e as dos seus amigos, escusando-se a qualquer controlo financeiro ou prestação de contas. Não é por acaso que o Partido andou dois anos a pagar coimas à entidade das contas, num total superior a 20 mil euros, pela má apresentação das mesmas.  

Aliás, a situação mais caricata foi quando surgiu um amigo do Bulhão a reclamar uma dívida de outdoors, no valor de 60 mil euros, dos quais 24 mil referentes à campanha das presidenciais (???), eleições em que o Partido não utilizou os outdoor’s, como meio de propaganda. Foi este mesmo amigo do Bulhão que nos afirmou publicamente que tinha um acordo com ele de receber esta quantia após as eleições de 2015, apesar do Partido ter todas as facturas liquidadas com esta empresa.

Podem então estes trânsfugas ficarem (descansados) ainda mais agitados ao saberem que, sob a orientação do Comité Central e do Camarada Arnaldo Matos, em ano e meio de actividade do actual Departamento Financeiro e com as generosas contribuições dos militantes, simpatizantes e amigos do Partido, todas as dívidas deixadas por esta gentalha a fornecedores foram pagas, assim como todas as coimas; e as finanças foram equilibradas. Para concluir o seu desespero, até a dívida deixada por eles, de 40 mil euros à CGD, está a ser liquidada.

Como é evidente, num verdadeiro Partido Comunista o dinheiro não abunda e é sempre pouco para divulgar o seu programa. É por isso que ele necessita de todas as contribuições dos militantes, simpatizantes e amigos do Partido e é por isso que em boa hora foi lançada uma nova campanha de fundos.

Morte aos traidores e aos seus lacaios!

Viva a linha geral revolucionária do Partido!

16MAI18

O Departamento Financeiro


Partilhar
Está em... Home Editorial AS DÚVIDAS DOS LIQUIDACIONISTAS