CULTURA

Sombras e petardos Poemas mínimos 5

Sombras e petardos

Poemas mínimos

 

XXX

Folha caída perdida por Garrett

Eu, folha, fico secando

Com outras que vão voando

Pelo outono da vida.

E o vento passa e repassa

E eu por cá vou ficando.

 

XXXI

Um dia quando for luz

Venha lá o primeiro romano

Que me pregue numa cruz,

Que me espete uma lança

E que o meu sangue escorra

Como lágrima de cristal,

E que me chamem coisas

Como Santo Graal.

 

XXXII

A filosofia, se houver filosofia,

Seria o horizonte dos meus olhos,

Os sons chegados aos meus ouvidos

E os perfumes da terra;

Moldaria o barro com as minhas mãos

E criaria mundos quando nele tocasse.

Arriscar-me-ia a moldar

Um novo Adão

E o mundo, se existisse para além do meu horizonte,

Seria de novo uma chatice.

Não há nada como as coisas simples que vemos,

Amamos sem saber o que é amar

Por amar estar além de tudo

E seriam tão simples como um poema de Caeiro.

 

Nunca nenhuma pomba estúpida me inquietaria…

 

06Ago17


João Camacho

 

 

 

 

Partilhar

Adicionar comentário


Código de segurança
Actualizar

Está em... Home Cultura Sombras e petardos Poemas mínimos 5